Ainda sobre a foto de Dilma

Este artigo foi enviado à Zero Hora como resposta ao artigo de Moisés Mendes sobre esta fotografia da presidente Dilma Roussef. O texto não foi publicado, nem creio que será, então reproduzo-o aqui. Ao final, há o artigo original de Moisés Mendes, para quem não leu.

Em novembro de 1970, eu não havia nascido e, na verdade, meus pais nem mesmo se conheciam. Nasci em 1978 e minha primeira lembrança política é assistir ao funeral de Tancredo Neves na televisão.

Em 1989, fazia boca de urna o candidato a presidente Luís Inácio Lula da Silva em Lajeado, junto a um tio sindicalista, quando fomos abordados por um fiscal do Tribunal Regional Eleitoral e até hoje creio que meu tio só não foi detido porque estava acompanhado de uma criança.

Em 1992, aos quinze anos, além de dormir lendo clássicos da literatura e acordar pensando no milagre que eliminaria minhas espinhas da cara, acompanhava as notícias sobre o escândalo envolvendo o presidente Fernando Collor. Por alguma razão, não participei da passeata pelo impeachment. Devo ter ficado em casa lendo Cem Anos de Solidão.

Em 1996, com a redução para 16 anos da idade mínima para obter título eleitoral, pude votar em Raul Pont para prefeito de Porto Alegre, após quase uma década de colaboração espontânea em campanhas para o Partido dos Trabalhadores. Em 1998, com a eleição de Olívio Dutra para governador, participei do carnaval fora de época que tomou conta de Porto Alegre.

Com o PT no poder, vieram as decepções. Acabei me afastando da militância partidária descomprometida que mantivera até então. Passei a dirigir essa energia para causas mais específicas, como a resistência ao projeto da Lei de Cibercrimes do senador Eduardo Azeredo, em 2008.

Nada disso rendeu uma imagem que revelasse minha alma, que dispensasse legendas, que estivesse para mim como a Mona Lisa está para todas as mulheres e como a Guernica de Picasso está para todas as guerras. Não tenho uma foto enfrentando generais da ditadura, como a imagem da presidente Dilma, nem haveria por quê: minha contribuição para a história da política brasileira foi circunstancial e modesta. Não tenho vantagens para contar.

Todavia, não acredite na conversa de que é preciso ser torturado e enfrentar o poder com altivez e destemor, para que valha a pena deixar de lado o Luan Santana e o tratamento da acne em nome da participação política. Mesmo uma contribuição bissexta e molenga como a que dei à construção da democracia no Brasil rende memórias que conferem um pouco de paz de espírito e satisfação consigo mesmo na vida adulta. Nem todos podem ser heróis, mas todos podem e devem ser cidadãos.

———————-

11 de dezembro de 2011 | N° 16914
ARTIGOS
A foto de Dilma, por Moisés Mendes*

Enquanto alguém fotograva Dilma Rousseff naquele interrogatório da Auditoria Militar do Rio, você fazia o quê? Você que era jovem, com idade para duelar com a ditadura e cometer loucuras em nome da democracia ou de uma revolução, o que você fazia naquele novembro de 1970 enquanto Dilma encarava os militares com o nariz empinado e você nem sabia que Dilma existia?

Admita: você, seus irmãos, seus colegas, seus vizinhos não faziam quase nada. Eu confesso: tinha 17 anos, dormia escutando as baladas da Rádio El Mundo de Buenos Aires e acordava pensando no milagre que eliminaria minhas espinhas da cara. Como nos empurraram para a alienação naquele 1970, em Alegrete ou em Porto Alegre!

E agora você, que tem hoje a idade de Dilma em 1970, que tem 22 aninhos, que já postou mais de mil fotos suas no Facebook: você já tem uma foto síntese como aquela de Dilma? Tem a imagem que revele sua alma, que dispense legendas, que esteja para você como a Mona Lisa está para todas as mulheres e como a Guernica de Picasso está para todas as guerras? Você tem uma imagem que tenha condensado tudo de você?

Se ainda não produziu a foto reveladora de sua presença neste mundo, não se penitencie. A foto de Dilma é única. Não acredite na conversa de que todos os jovens daquele 1970 enfrentavam a ditadura com o olhar de laser de Dilma. Os jovens de 1970 estavam anestesiados por quatro anos de regime militar, pelo Tri no México, pela censura.

A edição número 115 de Veja, de 18 de novembro daquele 1970, trazia esta capa: Em quem os jovens votaram. A reportagem tratava de uma pesquisa com mil jovens de 18 a 22 anos, de São Paulo, Rio, Porto Alegre e Recife, que votavam pela primeira vez no dia 15 daquele mês para eleger senadores e deputados.

Algumas revelações da pesquisa: 52% não sabiam por que os militares fizeram o golpe de 64; outros 25% disseram que o golpe evitara o comunismo; 71% achavam que o povo estava feliz com a situação do país; 51% dos jovens gaúchos votariam na Arena (o partido do governo) e 44% no MDB (da oposição); e 55% de todos os pesquisados no país votavam “por obrigação” (só 10% entendiam que votar era um direito). E quem tinha sido Oswaldo Aranha? 83% não tinha a menor noção. E qual seria a nota para o presidente Médici? Um 8,4. E assim por diante.

Na eleição, de 70, o MDB levou uma lambada de dois votos por um da Arena. A Arena elegeu 41 senadores e 223 deputados federais. O MDB, apenas seis senadores e 87 deputados. No Estado, Daniel Krieger e Tarso Dutra, arenistas, foram eleitos senadores com o dobro de votos dos emedebistas Paulo Brossard e Geraldo Brochado da Rocha.

Foi uma goleada do partido do governo, com o voto faceiro dos jovens. Vão dizer que havia a campanha do voto nulo, que o país ainda estava confuso, que faltava coesão ao MDB, aos democratas e às esquerdas. Nessa confusão, os jovens eram, como escreveu Mino Carta, o diretor de Veja, “pouco politizados, muito práticos e eventualmente ingênuos”.

Éramos alienados, seu Mino. Jovens com o perfil de Dilma, comunistas, democratas ou anarquistas, que provocaram o confronto do regime com suas próprias vergonhas, eram quase todos da minoria da militância estudantil. Só leve a sério quem aparecer contando vantagem, com histórias de resistência e bravura naquele 1970, se conhecer sua trajetória.

A foto de Dilma no interrogatório não é a síntese da juventude brasileira de quatro décadas atrás. É apenas a foto de uma moça destemida diante de dois homens torturados pela desonra.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>