Arquivos da categoria: academia

Para que serve um curso de Humanas?

A resposta à pergunta “para que serve um curso de Humanas?” depende, basicamente, da visão de mundo da pessoa à qual a questão é dirigida. Pela mesma razão, a própria pergunta denuncia a ideologia do questionador. Em geral, quem questiona a serventia das humanidades vê o mundo sob uma perspectiva utilitarista, muitas vezes associada a uma posição política reacionária.

Como bem apontou a minha amiga Katarina Peixoto no Facebook, não se responde ao que não deve ser questionado:

A universidade existe para ser excelente e isso deveria bastar. Não basta porque o Brasil resolveu dar um tiro na cabeça e agora estamos às voltas com esse inferno que é lidar com suicida. Realmente, não sei e não tenho tempo, agora, de enfrentar o problema de se devemos ou não prestar contas do que fazemos, à sociedade. No que me concerne, a tarefa é rematadamente impossível. Em primeiro lugar, não é praticável e, em segundo, eu não quero perder minhas amizades.

A quem, em sã consciência, fora da filosofia, pode interessar saber o que é um predicado e por que a estrutura clássica da proposição perdeu o seu enjeu? E as razões por que isso ocorreu, e por que podemos antever a obsolescência lógica da cópula, na LAP? A quem interessa escavar a prioridade semântica sobre as vestimentas gramaticais, em Port-Royal? E a natureza da mente, vamos lá, em Elisabeth da Bohemia? A filósofa seria uma humeana avant la lettre (como uma comentadora fina detecta) ou seria uma cartesiana hard-core (como eu penso que era)? Quem, na fila do pão, quer saber do argumento da distinção real e da leitura que a filósofa da Bohemia fez desse argumento? E a vontade, ela incide direta, ou indiretamente, na asserção? Qual a implicação de uma leitura ou de outra? Vale dizer, na Quarta Meditação e em Port-Royal (também em Spinoza, na Ética)?

Isso dito, mas considerando a guerra do governo Bolsonaro contra as universidades, talvez valha a pena fazer um esforço para explicar a relevância do ensino de Humanas e contradizer a visão reacionária utilitarista mais pedestre. A partir dessa perspectiva, somente os cursos universitários com alguma “aplicação prática” devem ser incentivados ou receber investimento público, por dois pressupostos principais:

  • No nível individual, oferecem mais oportunidades de emprego ao egresso da universidade
  • No nível social, a educação de engenheiros, programadores, farmacêuticos, agrônomos e outros profissionais do gênero gera riqueza

Noutras palavras, as humanidades, artes e outras disciplinas seriam inúteis porque não formariam empreendedores nem técnicos para trabalhar em bancos, empreiteiras, metalúrgicas, latifúndios, entre outras empresas de setores economicamente importantes. Como é necessário gerar riqueza, para gerar postos de trabalho, para empregar a população, para fazer a economia girar, para gerar impostos, para financiar o Estado, os utilitaristas consideram um desperdício investir dinheiro público nessas áreas.

É claro, nem todo utilitarista considera as Ciências Humanas uma perda de tempo — apenas os utilitaristas ignorantes ou ingênuos pensam assim.

Em primeiro lugar, algumas das disciplinas STEM (Science, Technology, Engineering and Mathematics), consideradas pelos utilitaristas cursos “sérios” e valorizadas pelo mercado, estão cheias de pesquisas sem nenhuma aplicação prática direta ou mesmo aparente. A diferença entre uma tese ridícula na Matemática e uma tese ridícula nas Letras é que pessoas sem nenhuma formação universitária relevante conseguem decifrar pelo menos o título do trabalho no segundo caso e desmerecer o tema de pesquisa.

Esse tipo de crítica em geral parte de reacionários se apropriando de uma perspectiva utilitarista para criticar campos de estudo científico considerados progressistas, como os estudos de gênero ou a teoria crítica, por exemplo. Curiosamente, esses conservadores ignoram as ideias de seus próprios ídolos sobre a ciência. Friedrich Hayek, por exemplo, entendia a evolução cultural em termos darwninistas. De seu ponto de vista, a variedade na cultura era essencial, porque nunca se pode saber qual inovação biológica ou cultural vai oferecer uma vantagem a uma espécie ou grupo.

Pesquisas sem nenhuma aplicação clara no presente podem se mostrar úteis no futuro. A natureza produz todo tipo de características biológicas possíveis, ao acaso. Algumas delas se mostram úteis e permanecem, enquanto outras desaparecem sob os estratos geológicos. Podemos encarar as universidades como máquinas de produção de ideias variadas, algumas das quais vão se mostrar adequadas ao ambiente, outras, não. Assim como na natureza, para se encontrar um traço biológico útil, é preciso arcar com o excesso, com o erro, nas ciências também se deve aceitar a produção de uma variedade exuberante de ideias, para garantir a geração daquelas capazes de aplicação prática no futuro.

Além disso, muitas das contribuições das humanidades para o empreendimento científico em geral e para a economia em particular são frequentemente obscurecidas. Há muitos estudos antropológicos sobre as culturas de povos indígenas, por exemplo. Alguns desses estudos podem parecer bizantinos aos olhos de utilitaristas — por que deveríamos nos preocupar com a filosofia dos mbyá-guarany, se vivemos numa sociedade urbana pós-industrial?

Talvez porque, ao observar a atividade dos karaí, ou curandeiros, o antropólogo pode registrar o uso de certas ervas medicinais. A seguir, um pesquisador de farmacologia pode se basear nesses registros para encontrar o princípio ativo de determinada erva e criar uma nova droga, a qual pode gerar riqueza. Quando isso acontece, porém, a disciplina de Farmácia ganha “pontos” na escala utilitarista, enquanto a Antropologia segue considerada uma atividade, na melhor das hipóteses, capaz de gerar leituras pitorescas.

Numa perspectiva cotidiana e de curto prazo, também, as Ciências Humanas também apresentam contribuições. O cientista da computação Shane Parrish, cujo weblog sobre modelos mentais e processo decisório influencia muitos executivos de Wall Street, relatou em entrevista recente a Sam Harris como as humanidades lhe fizeram falta quando entrou no mercado de trabalho:

Parrish assumiu um emprego num escritório de inteligência canadense logo após sair da faculdade, poucos dias antes dos atentados de 11/9. Em meio ao caos na agência, com a entrada de centenas de novos funcionários, ele se viu promovido a gerente em pouco tempo. Neste ponto, descobriu que a matemática e a programação, as quais tinham sido o foco de seu curso universitário e lhe arranjado um emprego, não eram suficientes para desempenhar suas novas funções, e se voltou para as artes e humanidades.

É um bom negócio para as empresas, porque elas podem contratar pessoas capazes de contribuir quase imediatamente, mas, dentro de quatro ou cinco anos, você está numa função diferente e essa função pode ser ou não afim às suas habilidades aos conteúdos que aprendeu na faculdade. O problema é que você fica inclinado a ver o mundo através dessas lentes. Existe o provérbio antigo segundo o qual “todo problema se parece com um prego para quem tem um martelo”. Para mim foi muito útil, assim como para outras pessoas com quem trabalhei, me abrir para um mundo mais amplo, pois isso não apenas ajuda a entender e a ver interconexões, mas, como vim a descobrir depois, ajuda você a entender outras pessoas, os modelos mentais delas — ajuda você a se comunicar com outras pessoas, se relacionar com elas e desenvolver relacionamentos significativos.


Executivos no Vale do Silício descobriram a mesma coisa, após vários anos se focando nas disciplinas do acrônimo STEM, e vêm contratando funcionários das humanidades e outras graduações “menos sérias”, basicamente porque eles são capazes de se comunicar com outras pessoas.

Finalmente, as humanidades, ao procederem a uma crítica profunda dos valores, costumes, crenças e ideologias, podem servir como uma espécie de “assessoras de vai dar merda” da sociedade. Marx denunciou as contradições do capitalismo no século XIX, muitas das quais se mostraram previsões acertadas ao longo dos conflitos sociais do século XX. Heidegger alertou para a possibilidade da tecnologia ganhar autonomia em relação ao ser humano e vir a suplantá-lo e hoje nos debatemos com a perspectiva de ocupação da maior parte dos postos de trabalho por máquinas. O despropósito de hoje pode ser a análise acertada de amanhã.

O bom filho à casa torna

Em março de 2007, com apenas 28 anos de idade e concluindo o mestrado, a PUCRS me deu a oportunidade de iniciar a minha carreira como docente na área de Jornalismo. A partir de julho de 2016, entro em nova fase na carreira, com minha transferência da Famecos para o curso de Jornalismo da Fabico, na Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Na UFRGS, vou assumir algumas das disciplinas de Ciberjornalismo, criadas para atender às novas diretrizes curriculares para o ensino do Jornalismo.

Será um prazer imenso retornar à Fabico, onde cursei a graduação entre 1997 e 2001 e, mais tarde, o mestrado, entre 2005 e 2007. Sempre tive o desejo de retribuir o investimento público em minha formação levando para lá o conhecimento que desenvolvi nesta década como pesquisador, além das habilidades práticas como jornalista digital e agitador cibercultural. No primeiro semestre, enquanto o currículo novo não é implantado, vou substituir o professor Wladimir Ungaretti na orientação dos alunos que produzem a revista Sextante e o jornal Três por Quatro. Será uma boa oportunidade de compartilhar algumas experiências do Editorial J com os alunos da Fabico.

Também vou participar do grupo de pesquisa em Jornalismo Digital, o JorDi, criado pela professora Luciana Mielniczuk.

Essa mudança é o ponto culminante de uma década de trabalho intenso como pesquisador e docente. Desde o ingresso no mestrado, havia determinado para mim mesmo o objetivo de me tornar pesquisador e docente no magistério superior federal. Se na PUCRS pude desenvolver bem as habilidades de professor e, até certo ponto, administrador, essa nova fase na carreira vai se focar em ampliar minha participação como pesquisador nos campos do Jornalismo e da Cibercultura.

Com o tempo, pretendo retomar as atividades neste weblog e no Garfada. Considerei adequado recomeçar compartilhando a alegria pelo raro privilégio de concretizar um sonho. :-)

11º Congresso Internacional de Jornalismo Investigativo

Na quinta-feira, dia 23, começa o 11º Congresso Internacional de Jornalismo Investigativo da Abraji. Convido os inscritos a acompanharem as atividades da qual farei parte:

Quinta-feira, 9h – Painel “O cérebro e a notícia”, com os neurocientistas André Palmini (PUCRS) e André Martins (USP), no qual serão discutidos vieses cognitivos e outras interferências dos processos neurológicos no trabalho de reportagem

Sexta-feira, 9h e 14h – III Seminário de Pesquisa em Jornalismo Investigativo

Sábado, 9h e 14h – III Seminário de Pesquisa em Jornalismo Investigativo

As salas estarão indicadas nos guias que cada congressista vai receber ao fazer o credenciamento.

Famecos tem grupo de estudos para curso online de introdução ao jornalismo guiado por dados

No dia 19 de maio, começa o MOOC Doing journalism with data, um curso a distância introdutório sobre jornalismo guiado por dados. Entre os professores estão o veterano da Reportagem Assistida por Computador Steve Doig; o antigo editor de dados do Guardian e hoje analista do Twitter, Simon Rogers, autor de Facts are sacred; o infografista Alberto Cairo, autor de The functional art; o professor Paul Bradshaw, autor de Scraping for journalists e de Finding stories with spreadsheets; e Nicolas Kayser-Bril, fundador da agência Journalism++.

O programa inclui:

  • Módulo 1 — Jornalismo guiado por dados na redação
  • Módulo 2 — Encontrando dados para embasar notícias
  • Módulo 3 — Desenvolvendo ideias de pauta com análise de dados
  • Módulo 4 — Como limpar dados bagunçados
  • Módulo 5 — Contando histórias com visualizações

Os inscritos poderão participar do grupo de estudos gratuito organizado por mim na Famecos/PUCRS, em Porto Alegre, a convite da Escola de Dados. O grupo terá quatro encontros ao longo do curso, sempre entre 16 e 19h, em quatro sextas-feiras:

  • 23 de maio
  • 6 de junho
  • 13 de junho
  • 20 de junho

A proposta do grupo de estudos é trocar experiências e tirar dúvidas de forma colaborativa. Isto significa que não vou dar aulas sobre jornalismo guiado por dados, mas oferecer um espaço para as discussões e — tomara! — aprender com os outros participantes.

Os interessados podem entrar em contato pelo correio eletrônico professortrasel [arroba] gmail [ponto] com.

Usando o Google Acadêmico para se manter em dia com a bibliografia

Uma das melhores ferramentas do Google — e que inexplicavelmente é pouco valorizada pela empresa — é o sistema de alertas por correio eletrônico para palavras-chave determinadas pelo usuário. Basta cadastrar os termos de interesse, para receber uma mensagem sempre que o motor de buscas indexar uma nova página condizente com eles.

Se pouca gente sabe dos Alertas dos Google, menos ainda sabe que é possível cadastrar alertas que só retornem resultados do Google Acadêmico. É importante usar operadores de busca para refinar os gatilhos de alerta. Abaixo, alguns exemplos:

  • Para alertas com mais de um termo, coloque-os entre aspas: “data-driven journalism”
  • Para alertas relacionados a um autor específico: autor: “Marcelo Träsel”
  • Para alertas cujos termos devem constar no título do artigo ou livro: tudonotítulo: “jornalismo guiado por dados”

Também é interessante criar um perfil no Google Acadêmico e listar sua produção científica. Com isso, o sistema passa a varrer a Web em busca de referências relevantes para o seu foco de pesquisa.

Abraji realiza seminário regional em Porto Alegre

No dia 22 de março, sábado, a Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo realiza seu primeiro seminário regional de 2014. O dia será dividido entre palestras e oficinas, todas sobre jornalismo investigativo e/ou jornalismo guiado por dados.

É uma excelente oportunidade de aprender com repórteres experientes e conhecer os meandros da investigação jornalística. O preço é camarada: R$ 50 para estudantes, R$ 75 para profissionais e de graça para os sócios da Abraji.

Inclusive, pode ser uma boa oportunidade para se filiar à associação, cuja anuidade custa R$ 220 para profissionais e R$ 110 para estudantes. Há vários benefícios, como acesso a bancos de dados, a tutoriais e à comunidade de repórteres investigativos brasileiros. Além disso, há a satisfação de contribuir para a manutenção de uma entidade que defende os interesses dos jornalistas — é uma das maiores responsáveis pela existência de uma Lei de Acesso à Informação, por exemplo.

Confira abaixo a programação, que traz luminares como Cláudio W. Abramo, Gil Castello Branco, José Roberto de Toledo e Mauri König:

9h00 – 10h30
(Auditório) LAI no Lide – o bom uso da Lei de Acesso no jornalismo regional
Jonathas Costa (O Alvoradense), Juliana Bublitz (Zero Hora) e Paula Sperb (O Caxiense)

(Laboratório) Crime sem Castigo – visualização no Tableau
Guilherme Storck (Gazeta do Povo)

11h00 – 12h30
(Auditório) Mobilidade urbana: para onde (e como) vamos
Daniela Facchini (Embarq Brasil), Clarisse Linke (ITDP) e André Mags (Zero Hora)

(Laboratório) Poder econômico e financiamento eleitoral no Brasil
Claudio Weber Abramo (Transparência Brasil)

14h00 – 15h30
(Auditório) Boas histórias: Dragagem ilegal no Rio Jacuí e Arquivos Secretos do Coronel do DOI-CODI
Fabio Almeida (RBS TV) e Renata Colombo (Rádio Gaúcha); Nilson Mariano e Humberto Trezzi (Zero Hora)

(Laboratório) Investigação do orçamento federal
Gil Castello Branco e Carlos Blener (Contas Abertas)

16h00 – 17h30
(Auditório) Boas histórias: Polícia Fora da Lei e reportagens
Mauri König (Gazeta do Povo) e Giovanni Grizotti (TV Globo)

(Laboratório) DataPOA: dados abertos municipais de Porto Alegre

Abraji abre chamada de trabalhos para seminário de pesquisa em jornalismo investigativo

O 9º Congresso Internacional de Jornalismo Investigativo da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo incluirá pela primeira vez um eixo destinado à apresentação e discussão de pesquisas científicas em torno do tema.

A iniciativa é da nova diretoria da Abraji, da qual participo como conselheiro fiscal e uma espécie de liaison com a academia. Há uma grande abertura dos repórteres, hoje, para o debate com pesquisadores do jornalismo, em grande parte, me parece, devido ao aporte científico necessário para praticar o jornalismo guiado por dados.

Por um lado, grande parte da tecnologia e, principalmente, o conhecimento sobre estatística e matemática usados pelas redações têm origem na academia. Pesquisadores da comunicação, como a equipe do Labic, por exemplo, têm contribuído com expertise na área de análise de redes sociais.

Por outro lado, as redações são laboratórios por excelência para o teste de tecnologia e novas propostas de formatos jornalísticos. Parcerias entre jornalistas profissionais e pesquisadores podem render grandes benefícios ao campo como um todo e, quem sabe, encontrar uma forma de ajudar a salvar essa importante instituição democrática que é a imprensa.

De fato, a era digital oferece a primeira oportunidade na história do jornalismo para que a academia tome a frente na proposição de novas formas de organizar a produção e a distribuição de notícias.

Hoje, bastam computadores, software open source e conexão à Internet para que pesquisadores criem jornais-laboratório capazes de adotar e testar as tecnologias mais recentes. Antigamente, era preciso arcar com custos de impressão ou radiodifusão, o que sempre é um problema para as ciências humanas, em geral tratadas como secundárias pelas agências de fomento.

Além disso, jornais-laboratório não têm compromisso com audiência ou acionistas e podem, por isso, errar bastante ao aplicar tecnologias e propor novas formas de narrativa jornalística. Redações profissionais não podem se dar ao luxo de quebrar o contrato de leitura o tempo todo.

Enfim, os pesquisadores interessados em debater os caminhos da investigação jornalística, a situação das vias de acesso à informação pública, o jornalismo guiado por dados, os desafios do ensino e outros temas serão bem vindos no próximo congresso da Abraji, entre os dias 24 e 26 de julho de 2014, em São Paulo.

Veja aqui o call for papers para o I Seminário de Pesquisa em Jornalismo Investigativo da Abraji.

Rede de acolhimento para mulheres viajando a negócios

Uma aluna do curso de especialização em Jornalismo Digital da PUCRS criou um dos projetos de conclusão de curso mais interessantes até o momento. Maria do Carmo Barreiros tem uma longa carreira como consultora, que a obriga a viajar pelo país. Nessas viagens, percebeu que ela mesma e muitas colegas acabam evitando sair do hotel nas horas de folga, porque há pouca receptividade a mulheres sozinhas em restaurantes, bares e outros estabelecimentos de lazer.

De fato, até há pouco tempo, segundo ela, uma mulher jantando sozinha num restaurante era tratada como prostituta, mesmo em metrópoles como São Paulo e Rio de Janeiro.

A partir do contato com o conceito de redes sociais, Maria do Carmo teve a ideia de criar um grupo de acolhimento para mulheres viajando sozinhas a trabalho: Mulheres Viajando a Negócios. Além do grupo no LinkedIn, há outro no Facebook. Trecho do release:

Mesmo que não haja coincidência das agendas, vale muito a troca de informações sobre opções de lazer, cultura e serviços: um taxista de confiança, um restaurante que costuma frequentar, um hotel bem localizado, com serviços por perto, e ainda solicitar referências que nos dê mais segurança caso venhamos a enfrentar algum tipo de dificuldade.

E por que não são suficientes as recomendações voltadas aos turistas em geral? Porque não cumprem as necessidades específicas de profissionais e ainda partem do pressuposto de que temos disponibilidade total de tempo para aproveitar a cidade. As dicas pessoais são mais apropriadas às nossas viagens pela similaridade das experiências e pela restrição de horários disponíveis.

Estamos reunindo essas mulheres. Juntas, poderemos ter e oferecer apoio, especialmente durante estadias em metrópoles e grandes aglomerados urbanos, locais que provocam forte sensação de insegurança e receio.

É um projeto interessante porque usa um dos principais aspectos benéficos das redes sociais, que é a possibilidade de auto-organização em grande escala, para mitigar um problema social pouco conhecido por quem não vive a situação dessas trabalhadoras. Ou seja, responde diretamente a uma necessidade do mercado.

Websites e weblogs dedicados ao jornalismo guiado por dados

Há alguns meses, iniciei uma busca por websites e weblogs cujo foco principal fosse o jornalismo guiado por dados. A tarefa se mostrou bastante mais difícil do que se poderia imaginar. Com o falecimento dos blogrolls, infelizmente, desapareceu a curadoria espontânea produzida pelos autores de weblogs, que até a metade da década de 2000 oferecia conjuntos valiosos de referências sobre todos os assuntos blogáveis — ou seja, N+1 temas existentes no universo.

As ferramentas de busca não foram de grande ajuda, retornando resultados pífios, mesmo com o apoio de operadores lógicos. Muitos websites simplesmente não se apresentam como focados em jornalismo guiado por dados. Por outro lado, como são especializados, terminam soterrados sob o peso do PageRank da Wikipedia, de páginas de grandes universidades e websites generalistas sobre jornalismo na busca orgânica.

A solução foi convocar a coletividade para criar a lista. A partir de uma simples planilha no Google Docs, aberta à edição por qualquer pessoa, a base de dados cresceu de dez para mais de cem registros. Há desde as referências mais óbvias até websites produzidos por gente muito longe dos grandes centros, especialmente América Latina e África.

A planilha foi divulgada na revista Data Driven Journalism e em listas de discussão como as da Abraji. Por sorte, muitos nós importantes no Twitter e Facebook abraçaram a iniciativa. O resultado mostra que o princípio do crowdsourcing pode ser aplicado de maneira bastante simples.

Ao longo das semanas, vários colaboradores fizeram sugestões. A primeira foi esclarecer a licença de uso da planilha, de modo que os participantes tivessem certeza do interesse público deste esforço. Coloquei a planilha sob domínio público. Uma outra sugestão importante foi indicar a linguagem de cada website, porque muitos autores escrevem em inglês, apesar de esta não ser sua língua nativa, e para facilitar a filtragem. Também percebi que muitos colaboradores não tinham uma noção clara do conceito de jornalismo guiado por dados, então incluí na planilha uma referência ao verbete na Wikipedia.

Inicialmente, também havia uma lista em português, mas houve poucas contribuições e muito spam, então ela ficou para trás.

Quando nerds e palavras se confrontam

Em razão de minha pesquisa de doutorado, venho buscando, há meses, uma cópia do livreto When nerds and words collide: reflections on the development of Computer-Assisted Reporting, organizado por Nora Paul e publicado pelo instituto Poynter em 1999. A tarefa se mostrou inglória, até que um contato com a própria Nora Paul a levou a pedir ao Poynter Institute uma autorização para digitalizar o material. A obra pode ser distribuída livremente, mas os direitos autorais permanecem restritos e qualquer outro tipo de uso deve ser autorizado pela instituição.

O livreto traz relatos de diversos jornalistas envolvidos com Reportagem Assistida por Computador nos anos 1990. Tem grande valor histórico e acadêmico para os pesquisadores da área. Bom proveito!

When Nerds and Words Collide by Marcelo Träsel