Arquivos da categoria: arte

Visualizações de dados concretas

Nas últimas semanas, tive contato com dois projetos artísticos que me levaram a pensar, na falta de termo melhor, nas possibilidades oferecidas por visualizações de dados concretas.

O primeiro projeto se chama Hypotopia e foi criado por estudantes de arquitetura da Technisches Universität de Viena. A proposta era mostrar ao público o significado dos 19 bilhões de euros usados pelo governo austríaco para salvar da falência o banco Hypo Alpe Adria. A solução foi criar uma cidade-modelo para mais de cem mil habitantes, em blocos de concreto e madeira, no centro de Viena.

O cidadão podia caminhar ao largo e por entre os blocos da maquete, que previsa ruas sem carros, sustentabilidade energética e outros benefícios ainda não existentes nas cidades normais, para cujos aprimoramentos os governos alegam jamais ter dinheiro suficiente. O impacto de medir com os próprios olhos, ainda que em escala, poder até mesmo tocar com as mãos, o prejuízo causado à Áustria por um banco irresponsável é certamente maior do que o impacto de um gráfico de barras, ou mesmo uma simulação em vídeo, numa tela de computador. A necessidade de se deslocar até uma praça para desfrutar de Hypotopia, de tomar tempo para apreciá-la, também estabelece uma relação mais reflexiva, talvez, entre o público e a visualização, do que os poucos segundos de atenção dispensados a um gráfico competindo com meia dúzia de notificações numa tela.

Um outro projeto interessante é Dein Erdanteil, apresentado em Berlim pelo artista plástico sueco Nikolaj Cyon. Ele criou um jardim no aeroporto de Tempelhof, onde plantou ervas, verduras e frutos como pepinos e abóboras. O jardim ocupa uma área de 19,75 metros quadrados, o equivalente a 1/100 da área de terra agriculturável disponível por ser humano, conforme dados da FAO.

Obra Dein Erdanteil (2012), de Nikolaj Cyon, em exposição em Berlim. (Reprodução)

Obra Dein Erdanteil (2012), de Nikolaj Cyon, em exposição em Berlim. (Reprodução)

O jardim permite ao público estabelecer uma relação mais direta, mensurável em escala humana, da quantidade de recursos naturais disponíveis para cada um de nós. É fácil multiplicar os cestos de tomates e folhas por 100 e perceber se estamos individualmente abusando, ou não, do espaço que nos foi designado pela mãe natureza.

Embora não tenha observado estas duas obras ao vivo, mas apenas por imagens na Web, seu impacto sobre minha compreensão dos problemas discutidos por ambas foi muito grande. Só posso imaginar qual foi o tamanho de sua influência sobre o público das exposições. Talvez fosse produtivo para a imprensa realizar experimentos nessa linha, mesmo que para serem distribuídos primordialmente em imagens.

A memória é mais sólida do que o concreto

Outro dia passei pela esquina da João Telles com a Independência e percebi que haviam derrubado o antigo prédio da OSPA. Não que estivesse alheio ao fato de um empreendimento imobiliário estar planejado para o local, mas por alguma razão me passou despercebido o plano de demolir completamente o prédio antigo. Tampouco era um prédio pelo qual tinha especial apreço, pois frequentei muito pouco o teatro e um tanto mais as suas escadarias, bebendo cerveja enquanto esperava os amigos chegarem para nos dirigirmos a alguma casa noturna da região. Sua fachada, todavia, era parte de minha memória afetiva da avenida Independência e, agora, não existe mais.

A ausência do prédio da OSPA funcionou como uma madelleine arquitetônica, trazendo um sentimento de nostalgia pela paisagem urbana da minha infância e adolescência. A expectativa de vida ao nascer em 1991 era de 65 anos para habitantes da região Sul, segundo o IBGE, então estou, estatisticamente, além da metade da minha trajetória, embora não seja velho. Ainda assim, as coisas que pareciam mais sólidas na infância, porque feitas de concreto e tijolos, vêm se esboroando sob a ação do tempo social. A rua onde vivi por mais de 20 anos não existe mais. O bairro para o qual me mudei há sete anos perde casas para incorporadoras imobiliárias toda semana. Fico imaginando como é ter 75 ou 80 anos e nada mais do que você conhecia existir, nem mesmo pessoas que se lembrem de como a paisagem costumava ser. É lamentável que a memória seja mais dura que o concreto.

Essa reflexão me fez compreender porque tanta gente é contra o “progresso” trazido pelas construtoras. Não se trata apenas da questão urbanistica. Uma casa ou um prédio derrubados não são apenas um amontoado de pedras e areia transportados para dar lugar a outro montinho, maior e mais novo. São referências culturais e afetivas eliminadas em função do lucro, signos arquitetônicos que compõem o mapa mental de cada habitante duma cidade. Um prédio é mais do que a soma de suas partes materiais. No Japão, a capela de Ise Jingu foi demolida e reconstruída a cada 20 anos desde pelo menos o ano 700 da era cristã. Os habitantes locais dizem que ela tem 1300 anos porque, embora as vigas e telhas possam ter menos de 20 anos, sua carga simbólica é milenar e permanece na história e cultura locais.

Algumas pessoas consideram a incorporação imobiliária desenfreada um progresso. Outras se ressentem com a destruição de seus pontos de referência simbólicos para atender ao desejo de acionistas de construtoras por mais e mais dinheiro. Num Estado menos patrimonialista haveria um ponto de equilíbrio entre essas duas demandas sociais, mas nossas câmaras de vereadores são dominadas por construtoras e os planos diretores são, consequentemente, impotentes ou desrespeitados sistematicamente. A situação gera um grande ressentimento no grupo que gostaria de ver a memória afetiva da cidade mais respeitada e, daí, movimentos como o Proteja Petrópolis ou Moinhos Vive. Os empresários não parecem se dar o trabalho de tentar compreender essa perspectiva e descartam a posição dos descontentes como mera aversão ao progresso. Ou compreendem perfeitamente, mas não se importam com a cidade ou com outros seres humanos.

Juremir Machado da Silva chama os aloprados da expansão imobiliária de xiitas do concreto. É uma boa alcunha para designar a conjunção de políticos imorais e empresários egoístas que vem tomando Porto Alegre de assalto desde sempre, literalmente patrolando a paisagem urbana e a memória de seus habitantes. Resistir ao poder do capital é difícil, mas ao menos a catarse pode ajudar os nostálgicos a se despedirem de suas memórias.

Programação da semana

No sábado, das 9h às 18h, acontece o I Seminário Internacional de Jornalismo Online promovido no Brasil pelo Knight Center. O evento marcará, espera-se, a criação da seção brasileira da Online News Association. No primeiro painel, teremos a apresentação “Jornalismo Interativo no New York Times”, por Andrei Scheinkman, programador de aplicativos jornalísticos do New York Times. Às 11h, Mario Tascón, diretor e fundador de LaInformacion.com e DIXIRed e ex-diretor de conteúdo de Prisacom e ElPais.com apresenta a palestra “Jornalistas + leitores + algoritmos = meio de comunicação”. Ao longo do dia, vários outros painéis interessantes. Haverá transmissão ao vivo por este link.

A partir de amanhã, está aberta ao público a exposição Horizonte Expandido, no Santander Cultural, com diversos nomes fundamentais da arte contemporânea. Chance rara de ver essas obras em Porto Alegre. Além dos estrangeiros, a mostra traz material de Hélio Oiticica. Se você tem alguma vontade de gostar de arte contemporânea, essa é a oportunidade.

Amanhã, às 18h30, o impagável Eduardo Menezes, do Impedimento, lança o guia A Copa que Interessa, no Caminito (rua Padre Chagas, 318). Se não for útil, o guia é no mínimo divertido.

    Quarto escuro

    Não é um espetáculo de dança, não é uma instalação e não é uma performance inspirada na obra de David Lynch, mas Quarto Escuro é um excelente começo para quem gostaria de se interessar por essas coisas, mas tem vergonha de não entender:

    Será uma apresentação única na sala 209 da Usina do Gasômetro no próximo sábado, dia 12 de setembro, às 19:30. Os ingressos custam R$ 10, com meia entrada para estudantes, idosos e artistas.

    Para quem não puder estar na Usina, tentaremos transmitir ao vivo pelo INSTRUÇÕES]desdobramentos.

    E também é uma chance imperdível de ver a bailarina e coreógrafa Tatiana da Rosa — a melhor do mundo conforme 50% dos habitantes da minha casa — em ação. :-)