Arquivos da categoria: Redes Sociais

Jornalismo brasileiro adota a reencenação de acontecimentos históricos em redes sociais

No dia 31 de março último, o golpe civil-militar que derrubou o presidente João Goulart e instalou um regime autoritário no Brasil completou 50 anos. A imprensa produziu os cadernos, websites, cronologias e documentários de costume, mas um novo tipo de material jornalístico ganhou bastante destaque: a reencenação de acontecimentos históricos em redes sociais — no caso, o Twitter.

Reencenações históricas não são uma novidade. O cinema e os nerds vêm reencenando batalhas importantes ao vivo ou em filme há décadas, várias delas com grande atenção aos detalhes. Em 2011, no aniversário de 30 anos do título mundial, a rádio Globo retransmitiu o jogo Flamengo X Liverpool. Na Web, circula há anos a reconstrução da Segunda Guerra Mundial em versões para IRC e Facebook. No Twitter, mesmo, já existem há tempos o perfil @RealTimeWWII e outros do mesmo tipo, como o diário da rainha Vitória.

Neste 31 de março, pelo menos cinco instituições brasileiras promoveram uma reencenação histórica do golpe de Estado de 1964: O Globo, o grupo Tortura Nunca Mais de São Paulo, o Instituto Moreira Salles e o laboratório de jornalismo da Famecos/PUCRS, o Editorial J, usando o perfil @Golpe1964. O portal Terra também reencenou em tempo real o putsch contra Jango, mas, em vez de usar o Twitter, aproveitou o momento para estrear sua nova ferramenta de narração ao vivo.

Cronologia do Golpe  golpe1964  no Twitter

 

A resposta do público, no caso do Editorial J, foi surpreendente. Se a proposta interessasse a 500 pessoas, já consideraríamos um sucesso.  O perfil, porém, atingiu a marca de 2 mil seguidores na primeira semana e no dia 2 de abril amanheceu com uma audiência de mais de 5 mil pessoas. A resposta também foi excelente em termos de comentários: não apenas muitos seguidores elogiaram e disseminaram o @Golpe1964, como diversos veículos de nos entrevistaram e publicaram notícias sobre a iniciativa. Ficamos estupefatos.

A ideia nasceu do dilema sobre como competir com a imprensa profissional na cobertura dos 50 anos do golpe dispondo de muito menos recursos. Como sou fã dos perfis de reencenação histórica, propus ao Victor Rypl, editor de Web do Editorial J, fazermos algo parecido. Ele comprou a ideia e usou parte das férias de verão para pesquisar o livro 1964: Golpe ou Contragolpe?, de Hélio Silva. Também usamos outras fontes, como os acervos online de jornais existentes na época, a hemeroteca digital da Biblioteca Nacional e até mesmo o Departamento de Estado americano. Nos últimos dias, ganhamos a ajuda da Sofia Schuck, nova estagiária do laboratório.

A partir dessas fontes, foram criados as centenas de tweets, escritos como se os eventos estivessem acontecendo no presente, e armazenadas as imagens necessárias. Um dos acertos foi iniciar, devagarinho, duas semanas antes de 31 de março, porque o intervalo de tempo permitiu que o perfil se disseminasse pelas redes sociais e houvesse uma audiência já cadastrada para acompanhar a narração na data mais importante. Também levamos em conta a vantagem de assinar a ideia antes de todos os outros — não é uma proposta tão original assim, afinal, e parecia óbvio que alguém maior do que nós iria fazer algo parecido. Com isso, obtivemos muito mais repercussão do que se iniciássemos no dia 31 de março, junto com O Globo e o Instituto Moreira Salles.

Outra diferença para as demais iniciativas é que pretendemos permanecer publicando conteúdo sobre as principais efemérides da ditadura. Esta foi uma das razões para termos criado um perfil dedicado apenas aos 50 anos do golpe, em vez de usar o @EditorialJ. Um perfil específico tem ainda a vantagem permitir a divulgação normal das matérias na conta oficial, sem atrapalhar a reencenação histórica, e evitar a confusão.

O Globo, por exemplo, narrou a rebelião no perfil @oglobopolitica, o qual seguiu publicando outros tipos de conteúdo, como uma sessão de perguntas e respostas com Miriam Leitão. Além de misturar textos de naturezas diferentes, essa decisão do Globo quebrou o encanto da reencenação. Afinal, o primeiro requisito para o sucesso desse tipo de iniciativa é manter ao máximo a suspensão da descrença. É como na cena do filme Em Algum Lugar do Passado em que Christopher Reeve se hospeda num hotel antigo e usa roupas de época, para criar um ambiente propício a um retorno ao ano de 1912.

Esse modelo obrigou o Globo a usar uma hashtag: #aovivo1964. São 11 caracteres valiosos. Um pefil dedicado, ou ao menos uma suspensão de todos os outros tipos de publicações, permitem evitar o uso de palavras-chave e deixar mais espaço para narrar os eventos. Um pouco de espaço livre nos tweets também favorece a repercussão e a interação, pois facilita que os leitores insiram comentários próprios antes do RT.

Uma ideia que gostaria de ter tido foi usar um código para indicar a fonte de cada tweet, como fez o Instituto Moreira Salles. É um dado útil para os leitores, que podem assim buscar as referências para se aprofundar, ou então questionar a exatidão das informações.

Uma ideia que gostei de ter tido foi retweetar os eventos dos quais não dispúnhamos em nosso arquivo. O grupo Tortura Nunca mais também embarcou no espírito esportivo e republicou o nosso material. Ambos ganharam em qualidade e ofereceram uma experiência melhor para o público com essa atitude, porque os perfis jornalísticos costumam retweetar informações de outras fontes quando estão realizando uma cobertura em tempo real. Aumentamos a verossimilhança.

Finalmente, essa experiência teve o mérito de mostrar à equipe do Editorial J que mesmo redações com poucos recursos, hoje em dia, podem competir por atenção do público com as grandes empresas de comunicação — é necessário apenas planejamento e um pouco de sorte.

Rede de acolhimento para mulheres viajando a negócios

Uma aluna do curso de especialização em Jornalismo Digital da PUCRS criou um dos projetos de conclusão de curso mais interessantes até o momento. Maria do Carmo Barreiros tem uma longa carreira como consultora, que a obriga a viajar pelo país. Nessas viagens, percebeu que ela mesma e muitas colegas acabam evitando sair do hotel nas horas de folga, porque há pouca receptividade a mulheres sozinhas em restaurantes, bares e outros estabelecimentos de lazer.

De fato, até há pouco tempo, segundo ela, uma mulher jantando sozinha num restaurante era tratada como prostituta, mesmo em metrópoles como São Paulo e Rio de Janeiro.

A partir do contato com o conceito de redes sociais, Maria do Carmo teve a ideia de criar um grupo de acolhimento para mulheres viajando sozinhas a trabalho: Mulheres Viajando a Negócios. Além do grupo no LinkedIn, há outro no Facebook. Trecho do release:

Mesmo que não haja coincidência das agendas, vale muito a troca de informações sobre opções de lazer, cultura e serviços: um taxista de confiança, um restaurante que costuma frequentar, um hotel bem localizado, com serviços por perto, e ainda solicitar referências que nos dê mais segurança caso venhamos a enfrentar algum tipo de dificuldade.

E por que não são suficientes as recomendações voltadas aos turistas em geral? Porque não cumprem as necessidades específicas de profissionais e ainda partem do pressuposto de que temos disponibilidade total de tempo para aproveitar a cidade. As dicas pessoais são mais apropriadas às nossas viagens pela similaridade das experiências e pela restrição de horários disponíveis.

Estamos reunindo essas mulheres. Juntas, poderemos ter e oferecer apoio, especialmente durante estadias em metrópoles e grandes aglomerados urbanos, locais que provocam forte sensação de insegurança e receio.

É um projeto interessante porque usa um dos principais aspectos benéficos das redes sociais, que é a possibilidade de auto-organização em grande escala, para mitigar um problema social pouco conhecido por quem não vive a situação dessas trabalhadoras. Ou seja, responde diretamente a uma necessidade do mercado.

Como checar fontes e identificar manipulações em redes sociais

Recentemente, a disputa pelo destino de um casario na rua Luciana de Abreu, em Porto Alegre, encontrou um desfecho no compromisso da construtora Goldsztein — parte do grupo Cyrela — em demolir apenas três dos seis imóveis, restaurar estes três preservados e ainda realizar uma doação de R$ 2 milhões para a conclusão das obras na Casa do Menino Jesus de Praga. Uma legítima solução salomônica, que provavelmente agradará à maioria dos descontentes com mais um caso de estupro urbanístico em Porto Alegre. Legal, não?

A Goldsztein, todavia, parece não ter achado suficiente a mídia espontânea garantida pela preservação de metade das casas e doação de milhões a uma instituição de caridade. Para reforçar sua disposição em deixar de degradar a paisagem urbana de Porto Alegre, resolveram degradar a paisagem virtual usando perfis falsos no Twitter para espalhar a notícia do acordo com o Ministério Público.

O astroturfing é uma prática a ser combatida porque causa a degeneração da esfera pública eletrônica criada pelas redes de computadores. Sabe como você não pode mais assistir a um vídeo incrível sem suspeitar que se trata de um viral criado para divulgar alguma marca, ou como você não pode mais ver um blogueiro elogiando uma marca, produto ou serviço sem se perguntar se está diante de um post pago? Esse cinismo generalizado é um efeito do abuso da confiança do leitor por parte de empresas e pessoas sem o menor respeito pelo patrimônio comum que é a Internet.

Agências de publicidade e assessorias de imprensa que se dizem especialistas ou fanáticos pela cultura digital, mas se valem do astroturfing, não são uma coisa nem outra. Primeiro, porque essa estratégia, como qualquer mentira, tem pernas curtas. Segundo, porque ninguém que ame a Internet contribuiria voluntariamente para sua degradação através de manipulações baratas. Já bastam os spammers, phishers e outros vermes à solta na rede. Se você é um anunciante, fique longe desse tipo de agência ou profissional.

Trata-se, além disso, de uma estratégia preguiçosa. Toma atalhos perigosos para disseminar informação e coloca em risco a imagem do cliente — que certamente não pagou pouco pelo serviço. Por exemplo, se o responsável por esta ação houvesse se dado o trabalho de me conhecer apenas superficialmente, saberia que não é boa ideia tentar esse tipo de coisa por perto. De fato, uma das principais motivações para este artigo é, provavelmente, ter me ofendido por me julgarem um alvo adequado.

Todo mundo precisa comer e pagar a conta do bar, mas profissionais que coadunam com o astroturfing estão tornando o mercado de trabalho muito mais miserável para si e para todos os outros. São o equivalente de fura-greves. Ninguém está exigindo de você que cure o câncer, mas que pelo menos não ajude a disseminá-lo. A única exigência do cosmos é que tenhamos responsabilidade; não é muita coisa e quem não consegue nem isso deveria ser punido com a ignomínia.

Como forma de contribuir para o fim do astroturfing, sock-puppetry e outros flagelos, aí embaixo está um tutorial com dicas para identificar perfis falsos em redes sociais, seguidas pelos passo-a-passo de minha investigação a respeito dos perfis usados por alguma agência de publicidade por delegação da Goldsztein. Recomendo acionar o modo de tela cheia, para ver melhor as imagens, ou baixar os slides em seu computador.

ATUALIZAÇÃO: Entrei em contato com Cláudio Goldsztein, fundador da agência Embrace e filho de Sérgio Goldsztein, para verificar as relações entre as duas firmas. Conforme o empresário, os perfis falsos usados para disseminar mensagens favoráveis à construtora homônima não são de responsabilidade da Embrace. Tampouco há qualquer pessoa chamada Sofia Martins no quadro de funcionários da Embrace ou da Goldsztein. O publicitário supõe que os perfis falsos podem ter sido criados por corretores de imóveis com interesse em negociar o empreendimento, independentemente. O perfil @luciana_verdade no Twitter, porém, é gerenciado pela Embrace.

Como obter do Twitter seu arquivo pessoal e passar a arquivar tweets você mesmo

ATUALIZAÇÃO: O Twitter criou uma funcionalidade para baixar os arquivos dos perfis, que ainda não está disponível para todos os clientes. É gratuito e basta ir até a página de configurações, rolar até o final e ver se o botão “Request your archive” está lá.

—————

No ano passado, o Twitter decidiu impor diversas restrições ao uso de sua API, tornando inviáveis vários serviços de arquivamento, como o IFTTT, por exemplo. A mudança ocorreu no momento em que a empresa anuncia um serviço para baixar os arquivos de atualizações — mediante pagamento, conforme alguns relatos.

Com isso, todos os produtos baseados na exportação de tweets para bancos de dados na nuvem (como Friendfeed, por exemplo) se tornam inviáveis. A nova política de uso da API só permite operações equivalentes a “salvar como” ou capturar a tela em PDF ou algum formato de arquivo de imagem. Na prática, não se pode mais criar quase nenhum tipo de mash-up a partir de tweets, ainda mais levando-se em conta que a partir de março de 2013 os fluxos Atom e RSS também serão abandonados à própria sorte, ou desligados, ainda não está muito claro.

Com essas mudanças, afirmam os executivos do Twitter, o serviço poderá oferecer uma “experiência mais consistente ao usuário”. Em tradução livre, significa que o Twitter está aderindo à contra-revolução iniciada pela Apple e se fechando cada vez mais, em busca de maior controle sobre seus produtos. Exceto que, ao contrário da App Store, no caso do Twitter o produto é composto principalmente de conteúdo gratuito gerado por seus clientes e pelas próprias subjetividades dos clientes, vendidas para anunciantes. Dave Winer, que nunca teme assumir o papel de Cassandra e avisar sobre os riscos de deixar propriedade intelectual sob a tutela de corporações, resume a indignação dos desenvolvedores de aplicativos para o Twitter:

Yes, this was unfair. Twitter had been telling developers, for years, that they should develop all kinds of clients. That was when Twitter was just a website and had no clients of its own. It bought a few of the developer products, and the advice changed. Really bad planning, and/or carelessness of the worst kind. I’m surprised there weren’t any lawsuits.

Se nunca se preocupou em tratar bem os desenvolvedores — a não ser quando precisava deles — muito menos o Twitter se preocupa em permitir aos usuários do serviço maior controle sobre seu arquivo de mensagens e imagens. Na verdade, sempre foi uma das piores plataformas de redes sociais neste aspecto: não apenas ficam disponíveis apenas os últimos 3200 tweets, como mesmo estes são acessíveis somente mediante operações técnicas relativamente complexas para o usuário comum. A maioria dos tweets desaparece das linhas de tempo entre uma e duas semanas após a publicação. Boa sorte tentando encontrá-los depois, sem saber a URL exata.

Tampouco o Twitter é transparente quanto a essas restrições. Normalmente, fica-se sabendo pela imprensa especializada sobre estas características. Por conta disso, só fui perceber o problema após ultrapassar a barreira dos 3200 tweets e me vi sem acesso ao conteúdo produzido por mim mesmo. Caveat emptor, é claro, mas não deixa de ser no mínimo antipático criar um modelo de negócios baseado em trabalho gratuito dos clientes e não oferecer aos escrav… — perdão! — colaboradores controle nem mesmo sobre a produção intelectual de sua propriedade.

Como obter todos os seus tweets

Buscando uma forma de obter meu arquivo de tweets, cheguei a este artigo da holandesa Anne Helmond, com um passo-a-passo para solicitar uma cópia de todos os seus dados junto ao setor jurídico do Twitter.

O texto com a solicitação é baseado numa lei européia, mas imaginei que eles não devem conhecer a lei brasileira, então mudei o artigo usado como argumento para um artigo do Código de Defesa do Consumidor. O texto abaixo foi enviado ao endereço Twitter-Legal@twitter.com.

NOME
RUA
CIDADE
CEP
PAÍS

DATA

To the Twitter Legal Department,

Re: @trasel

This is a request to access my personal data under Section VI of the LEI Nº 8.078, DE 11 DE SETEMBRO DE 1990, known as Brazilian Consumer Protection Act.

As a Twitter user based in Brazil I request records of the following:

All personal data that Twitter holds about me, inter alia
All logs of IP addresses associated with my account (because these are bound to my password-authenticated account and are thus identifiable)
Any records of the contacts stored on my mobile device that may have been collected by Twitter via the ‘Find Friends’ function, or any other information collected from a Twitter mobile client
Any records of disclosures of personal data to other parties, including law enforcement (such records of disclosures themselves constitute personal data)

I request this information to be delivered in machine-readable form, to the e-mail address registered to my Twitter account.

Data Subject Authentication

My name: Marcelo Ruschel Träsel

My current Twitter handle: @trasel

My e-mail address: XXXXXXXXXXXX@gmail.com

Please inform me, prior to processing this request, if you require a fee to be paid.

I look forward to receiving this information within 30 days. If you have any queries or questions regarding my request, please contact me by e-mail.
Yours faithfully,

Após o recebimento, o setor jurídico do Twitter envia uma mensagem com número de protocolo, à qual você deve apenas responder, sem acrescentar nada, para dar início ao processo. No mesmo dia, já recebi uma mensagem de um ser humano, oferecendo mais informações e confirmando o início do processo. Nesta mensagem, pediram o envio de um FAX de um documento de identidade com foto. Há serviços gratuitos de FAX online que permitem anexar arquivos e mandar para qualquer telefone no mundo. Tomei o cuidado de  rasurar todos os dados da carteira de identidade que não fossem minha foto e nome completo, para não dar mais informação do que o necessário.

Dentro de dois ou três dias, você deve receber no endereço de correio eletrônico vinculado a sua conta no Twitter uma cópia em PDF do pedido e a solicitação de que confirme, por e-mail mesmo, ter realizado o pedido de acesso à informação. Basta responder algo como “Yes, I confirm this request to disclose information was sent by me”.

Após este último passo, em cerca de uma semana você receberá uma mensagem com o endereço do link para baixar um arquivo ZIP com todas as informações solicitadas. O ZIP é um banco de dados em JSON, salvo engano, então será preciso usar algum aplicativo para uma leitura mais amigável. Por outro lado, o texto dos tweets está completo, com data, nesse banco, podendo ser lido com um esforço mínimo. O importante mesmo é que você terá em suas mãos todo o conteúdo criado para o Twitter durante anos como cliente do serviço.

Como arquivar seus tweets

Resta a questão de como arquivar seus tweets vindouros. A maneira mais fácil, sem ter de instalar nada num servidor próprio, é assinar o fluxo RSS num aplicativo adequado. Estou usando o próprio Thunderbird para tanto. Além disso, criei duas receitas no IFTTT, que exportam os tweets para o Dropbox e uma planilha no Google Docs, a partir do fluxo RSS.

O problema é que não se sabe o futuro dos fluxos RSS de contas do Twitter, então esses recursos podem deixar de funcionar em breve.

Para gerar o fluxo RSS de sua conta no Twitter, basta substituir os XXXX ao final da URL abaixo pelo seu nome de usuário:

http://api.twitter.com/1/statuses/user_timeline.rss?screen_name=xxxxx

Depois, é só cadastrar a URL com seu nome de usuário numa das receitas do IFTTT, ou no seu leitor de RSS favorito.

Bônus: caso você use listas em sua conta do Twitter, aqui há um tutorial de como gerar o link para o fluxo RSS dessas listas.