Ainda mais do mesmo

Saiu o guia 2009/2010 da Veja Porto Alegre, que traz informações sobre os principais bares e restaurantes da cidade. Além disso, todo ano o guia promove uma eleição dos melhores em cada categoria, convidando VIPs locais. A lista dos melhores é a mesma todos os anos, com uns poucos lugares mudando de categoria e um ou dois saindo e entrando. Embora ache que a eleição permite apenas saber quais são os locais mais conhecidos e populares, não os realmente bons, ao menos pode-se tirar certas conclusões sociológicas sobre a gastronomia da capital.

Chama atenção o fato de a melhor comida brasileira ser a da Cachaçaria Água Doce. Eles de fato servem comida correta e é um dos únicos lugares na cidade onde se pode comer carne de sol — sem falar em beber certas cachaças especiais. Gosto bastante da Cachaçaria, mas não é um restaurante de primeira categoria. É triste ver que a gastronomia brasileira é completamente ignorada em Porto Alegre. Em 2007 eu já me perguntava cadê a comida baiana, e a resposta continua em aberto. Será que não existe mercado para uma culinária brasileira de primeira linha entre os gaúchos, para um restaurante que sirva acarajé, pato no tucupi, barreado, moqueca capixaba, feijoada e outros pratos típicos nacionais comme il faut? Imagino a decepção de um turista que venha a Porto Alegre por algum motivo e queira saber como os brasileiros comem.

O que torna isso mais bizarro é o fato de haver excelentes restaurantes em Porto Alegre, mas voltados à cozinha oriental e francesa clássica. O Koh Pee Pee não fica devendo nada frente aos melhores restaurantes de São Paulo, nem o Chez Philippe. Então, não é falta de pessoal qualificado, nem ausência de gourmands dispostos a pagar o preço de refeições cinco estrelas. Talvez o problema seja provincianismo. Vai ver, os endinheirados locais pensam que é muito mais chique comer pratos exóticos da Tailândia que da Bahia — ainda que as duas culinárias se aproximem bastante nos ingredientes, usando muito frutos do mar, pimentas e leite de coco. O Kos foi uma baixa no ano passado e isso pode indicar também que não há muita abertura a propostas inovadoras por aqui. Analisando bem, o Koh Pee Pee tem uma história muito particular, tendo feito fama primeiro na Praia do Rosa, e a cozinha oriental foi legitimidada há muito tempo — já a francesa, nunca precisou de legitimação.

É engraçado também o Steinhaus ser permanentemente considerado o melhor alemão. Curto e grosso: eles não servem comida alemã. É cozinha internacional com uns poucos toques germânicos. O Polska, polonês, é muito mais germânico nos ingredientes e nos pratos, servindo todas aquelas coisas agridoces, marreco, porco etc. Outras boas opções para a comida alemã são os diversos botecos temáticos, como o Prinz, o Walter, o Chop Stübel, o Bier Stübe e outros.

Já uma injustiça, a meu ver, é o Bateau Îvre ter ficado à frente do Chez Philippe como melhor francês. Enfim, fui apenas uma vez a cada um dos lugares, talvez tenha dado azar. Não entendo também como o Na Brasa é sempre escolhido o melhor para se comer carne, quando temos a churrascaria Porto Alegrense, o Viejo Pancho e mesmo o Barranco. Carlos Kristensen, do Hashi, como chef do ano foi uma escolha justa, ele tem se esforçado em criar um caminho muito próprio na gastronomia e se mostrado competente. É legal também ver o Atelier das Massas como o melhor italiano e o quase sumiço do Copacabana, que sempre considerei uma enganação.

Faz falta mesmo é um guia gastronômico de Porto Alegre nos moldes do Michelin, ou mesmo da Época São Paulo, que não têm medo de dar opinião. Assim como parece avesso a novas propostas, o público gaúcho — incluindo-se aí principalmente os donos de restaurantes — têm alergia à crítica, que é sempre tomada como algo necessariamente ruim ou até mesmo uma ofensa pessoal. Mas quem sabe um dia o ambiente gastronômico de Porto Alegre cresça.

19 Comentários

  • By Bruno Galera, 08/05/2009 @ 17:43

    “Será que não existe mercado para uma culinária brasileira de primeira linha entre os gaúchos(…)”

    =

    “Não gosto de comida muito forte, apimentada, temperada”

    =

    Resumo do gosto culinário de 98% dos gaúchos.

    Guia Veja POA: totalmente de acordo com a expectativa e preferência local: “bah, aquele restaurante era BEM SERVIDO”.

    Fim.

  • By Solon, 08/05/2009 @ 18:15

    a carne da Na Brasa dá de relho no Viejo Pancho e, especialmente, no Barranco, que tem uma carne bem meia boca.

    na Porto Alegrense só fui uma vez, mas a picanha estava, de fato, no nível da Na Brasa.

    mas concordo muito com a pobreza da Veja POA, e da falta de gastronomia decente em Porto Alegre que ela registra.

  • By marcus, 08/05/2009 @ 18:27

    Talvez o problema seja provincianismo. Vai ver, os endinheirados locais a pensam que é muito mais chique comer pratos exóticos da Tailândia que da Bahia

    Perfeito. Sinto a mesma coisa, mas nunca consegui ser tão sucinto em externar esta opinião.

  • By Träsel, 08/05/2009 @ 18:42

    De fato, o Barranco não tem uma carne melhor do que a Na Brasa, e talvez nem o Pancho, mas considero esses dois lugares melhores para se comer churrasco por não seguirem o sistema de rodízio. Prefiro muito mais o serviço a la carte, mas aí reconheço que é idiossincrasia minha. Enfim, blog é o lugar para as idiossincrasias.

  • By Bruno Galera, 08/05/2009 @ 20:08

    Na Brasa corta picanha como se fosse rosbife. Daí sua inferioridade. Picanha tem que ser CHUNKY e com capa de gordura do lado.

  • By Alison, 09/05/2009 @ 18:02

    Parabéns pelo novo site. Layout muito mais agradável também. Um abraço

  • By marco aduriz, 10/05/2009 @ 04:32

    minha opinião é de que a veja porto alegre não têm um critério de avaliação muito valido, quando se fala de gastronomia, as pessoas que avaliam não são ao meu ver tão “profissionais” não se avalia qualidade de materia prima empregada,tecnica e tantos outro itens que deveriam ser levados em conta, dai a necessidade de haver uma avaliação como é feita no guia michelim,anonima e não anunciada aos quatro ventos,faltando dar o segundo exato em que o jurado vai chegar ao restaurante avaliado.

  • By marco aduriz, 10/05/2009 @ 04:39

    e não achei realmente valido o premio de melhor chef para carlos kristenssen, tecnicamente acho a comida que ele faz pesada e insossa,desenxabida,foi ao meu ver mais um exemplo da falta de criticos gastronomicos de “verdade”.

  • By Alexandra Dias, 11/05/2009 @ 00:09

    Todas as vezes que eu insito em voltar ao Barranco é uma decepção, a carne é ruim, meio fria, meio sem sal e aquele carrinho de saladas dispostas em potes de plástico é bem insólito. Nunca fui no Na Brasa. Adoro churrasco, mas em Porto Alegre ainda não encontrei nenhuma churrascaria que realmente ofereça um serviço+carne decentes. Nada nem parecido com o churrasco que o meu pai faz :)

  • By Marco, 11/05/2009 @ 07:54

    Sobre a falta de restaurantes brasileiros em POA: não conheço POA tão bem assim, mas msm aqui em SP é difícil encontrar comida do Norte do Brasil, conta-se nos dedos os restaurantes paraenses, amazônicos, etc. Barreado então, conheço apenas um q serve. E msm assim, é de comida brasileira “contemporânea”.

  • By Carlos, 11/05/2009 @ 09:57

    Barranco = lixo
    Na brasa = avalanche de comida desnecessária

    Churrascarias em POA = melhor não ir.

  • By Perneta, 12/05/2009 @ 11:02

    Parece que os “novos” chefs estão desistindo de Porto Alegre e procurando outros lugares como Gramado e as praias de Santa Catarina.

  • By marco aduriz, 13/05/2009 @ 02:00

    não acredito em “novos chefs” hoje em dia o cara se forma numa faculdade de gastronomia em um dia e no outro ja se apresenta como chef de cozinha, hoje em dia qualquer um que frita um ovo se considera chef de cozinha, mas quando se fala em técnica a coisa muda de figura e então se consegue ver quem é água e quem é vinho! tive a oportunidade de trabalhar com um “chef” de um restaurante aqui de porto alegre, recentemente o escolheram como melhor chef da cidade, o sujeito certa vez quando eu estava acertando a consistência de um molho com um simples beurre manié, fui questionado pelo “chef” se estava fazendo uma massa podre, termo popular para pâte brisée, quer dizer, um cara veste uma dolmã e se intitula chef, monta um restaurante que se diz “contemporâneo” e não sabe a diferença entre beurre manié e pâte brisée!imaginem então o que ele pensa que é um saucier? E ainda é eleito O MELHOR CHEF de porto alegre! é meus amigos estamos bem mal na foto.

  • By marlon, 25/05/2009 @ 14:04

    apoteoses de Anonymus [sic] Gourmet na RBS = resumo do conhecimento culinário de 98% dos gaúchos.

  • By Douglas, 31/05/2009 @ 22:37

    Barranco ? Garçons que simplesmente “jogam ” pratos e talheres sobre uma mesa,diga-se de passagem, muitas vezes suja.Ambientes feios, sem a menor preocupaçao estética.E o que dizer dos banheiros ?? O carrinho de salada…alo secretaria de saúde ! Tudo termina com um café ” expresso”pior do que qualquer um da rodoviária.

  • By Fê Aldabe, 07/06/2009 @ 23:12

    A Veja só é um reflexo da mediocridade gastronômica que vivemos aqui:

    1) Atelier é um bom restaurante, concordo, mas há quantos ANOS eles não renovam o cardápio? Só pela quantidade de ingredientes dos anos NOVENTA que incrementam o buffet já dá pra ver que não rola uma pesquisa e uma renovação.

    2) Churrasco: pq nunca falam do KOMKA? Melhor churrasco 9e polenta com queijo). De onde tiraram que o Barranco com aquelas carnes SECAS e CARAS é bom? Eu não entendo essa unanimidade.

    3) Culinária Brasileira: uma tristeza. O melhor que consegui foi uma moqueca caríssima no Marcos.

    4) Francês: pode até não ser o melhor, mas prefiro o sanduiche Voador que apesar de também ter um cardápio estacionado nos anos 90, pode surpreender no menu do dia.

    5) Gostei que citaram a padaria Pricila. O melhor que abriu nos ultimos ANOS aqui.

    Bom, vamos aguardar o Carlota que prometeram abrir ainda esse ano.

  • By Träsel, 08/06/2009 @ 00:06

    Concordo com tudo e também estou CHULIANDO esse restaurante da Carla Pernambuco que prometeram para Porto Alegre. Nunca fui no Sanduíche Voador e nem na Komka, boas lembranças.

  • By Elisa, 08/12/2010 @ 12:18

    Complementando o comentário do Marcus de 08/05/2009 @ 18:27

    Olá, bom dia! Meu nome é Elisa, sou baiana, soteropolitana, atualmente residindo em Canoas – RS há 3 meses e também sofri para encontrar a comida da terrinha… Pouquíssimas opções, por isto estou constantemente vasculhando a net p/ ver se surgiu algo novo referente a culinária do norte e nordeste e foi aí que encontrei o blog. Apesar do atraso (os comentários sobre a culinária do norte e nordeste são do ano de 2007) gostaria de informá-los que quem gosta desta deliciosa comida tem mais uma opção aqui na minha cidade – Canoas (do ladinho de POA). Trata-se de uma casa focada em lanches rápidos da culinária nordestina (somente Nordestina e nenhuma outra mais) chamada Acarajés e Tapiocas do Calango. Entre os pratos está o essencial Acarajé com camarão seco defumado (camarão inteiro e grande, ñ é molho de camarão picado misturado no vatapá e no caruru), Tapiocas de diversos sabores (incluindo as tradicionais de côco e leite condensado, carne seca com queijo sendo que o queijo pode ser o coalho – a mais original mesmo!!! – , o mussarela ou o catupiri), pamonhas, cocadas, cuscuz recheado, porção de carne seca, porção de carne de sol,porção de camarão seco, açaí na tigela geladinho, sucos naturais e caipiroskas de frutas do Nordeste refrescantes (caju,cajá,cupuaçu,tamarindo,cacau com leite,açaí,clorofila,graviola,etc) e muito mais! O ambiente é simples e acolhedor, preços acessíveis, perfeito para um happy hour depois do trabalho. Ahhh, e é tudo feito por um Nordestino mesmo, sergipano chamado Marcius. Decoração com elementos da cultura Nordestina (nada de ambiente fast-food ou “Havaí”,hehehe!) É um lugar para se sentir em casa mesmo, ainda mais que são os próprios donos que atendem e explicam tudo (apesar de ter cardápio com a descrição de todos os pratos). É possível comprar artesanato, cachaças e licores nordestinos. Como eu disse lá no começo, o foco são lanches nordestinos, mas pratos mais elaborados tais como a nossa famosíssima moqueca à moda baiana, baião de dois, sarapatel, entre outros, podem ser pedidos por encomenda. Ahhh, e p/ completar eles ainda tem tele-entrega p/ Canoas e alguns bairros de POA! Imaginem só tele-entrega de Acarajés, Tapiocas, Açaí na tigela e todas as demais delícias do Nordeste aqui em Canoas! FINALMENTE!!!!! Agora só falta o povo daqui abrir a mente, descobrir que comida Nordestina não é só buchada de bode e que absolutamente nada precisa ter pimenta (ela sempre é opcional). Ajudem a divulgar, pois não é só questão de paladar, mas também de cultura! É sempre bom as pessoas conhecerem algo diferente, saberem que há algo mais além de somente lanches rápidos ao estilo Mc Donald’s ou xis, pastel e batata frita (comem sempre a mesma coisa e não se interessam por conhecer nada mais… ou então valorizam muito mais a culinária internacional em detrimento da tão rica culinária regional brasileira) Pronto: fiz meu desabafo e convido a todos que conhecerem algum outro cantinho que disponha da NOSSA COMIDA BRASILEIRA a compartilhar com todos os seguidores deste blog! Não sei se posso divulgar dados de contato do Acarajés e Tapiocas do Calango, mas joga no Google que vc vai encontrar (eles tem um blog com o cardápio completo incluindo preços e descrição de todos os pratos)

Other Links to this Post

  1. Votando no ranking gastronômico de Veja | Garfada - Onívoros, uni-vos! — 15/04/2010 @ 22:37

Feed RSS para comentários sobre este post. TrackBack URI

Deixe um comentário

WordPress Themes