Café Jacu

Jacu Bird CoffeeNão consegui resistir a provar o Jacu Bird Coffee que o Café do Mercado está vendendo. Trata-se de um café obtido das fezes — isso mesmo, do cocô — dos jacus da fazenda Camocim, no Espírito Santo. O jacu é visto em geral como praga pelos produtores de café, porque ele come os grãos ainda na árvore. O pessoal da Camocim, uma fazenda orgânica, viu nisso uma oportunidade: produzir o kopi luwak brasileiro. Conforme a explicação da Camocim:

Jacu Bird Coffee da Camocim Organic é um café orgânico e biodinâmico, cujos melhores grãos são selecionados, no pé, pelo jacu, ave nativa da Mata Atlântica. O jacu é uma ave vegetariana que habita áreas florestadas e conservadas, e sua presença é um sinal de saúde ambiental da região.

Uma vez alimentado pelos melhores frutos, o jacu elimina os grãos ao pé das árvores de café, que são colhidos manualmente pela nossa equipe, secos, limpos e guardados. Após um período de descanso, são enfim torrados para consumo.

O café jacu pode ser usado em máquinas espresso ou passado em filtro normal. Em vez de provar primeiro o espresso oferecido no Café do Mercado (R$ 8), resolvi comprar um pacote de 250g por hilariantes R$ 68, pois queria testar as duas versões.

Nas duas primeiras vezes, errei na moagem, deixando os flocos muito grandes e o café muito fraco, tanto o espresso quanto o passado. Caprichei mais nas ocasiões seguintes e obtive o melhor café que já provei. Normalmente, tomo a versão orgânica do Cafeeiro, os grãos de melhor qualidade disponíveis no café do mercado, cujo quilo custa R$ 31. Ao lado do Jacu Bird Coffee, o Cafeeiro fica parecendo o Café Pelé. O café jacu é incrivelmente equilibrado. Tem corpo, mas ao mesmo tempo é suave. Há apenas o gosto do café, sem o sabor acre dos óleos essenciais indesejados presentes na maioria dos grãos, inclusive os de boa qualidade.

A questão é: vale a pena pagar esse preço, mesmo pelo melhor café do mundo? Ele é dez vezes melhor do que o Cafeeiro, por exemplo, para merecer o preço quase dez vezes maior? Creio que não. Com toda certeza vale a pena tomar uma xícara festiva aqui e ali, mas definitivamente não é um café para todos os dias. Os bons grãos do mercado são bons o suficiente para manter um amante de café feliz no cotidiano e, depois de alguns dias, o sujeito até esquece a amplitude da diferença que o Jacu Bird Coffee tem em relação a eles.

17 Comentários

  • By Cristiano, 11/04/2010 @ 15:52

    Tem que ser muito macho e ter muita força de vontade para: 1)comprar esse café; 2) preparar três vezes até que consiga fazer ficar bom. Eu vou no “da casa” que é diversão garantida sempre…

  • By Träsel, 11/04/2010 @ 15:53

    Precisa mesmo é ser muito nerd, Cristiano. :-)

  • By Bruno Galera, 11/04/2010 @ 22:00

    Adubo = merda. Qual o problema de comer cafe’ cagado por um jacu?

  • By tati, 11/04/2010 @ 23:04

    “Ao lado do Jacu Bird Coffee, o Cafeeiro fica parecendo o Café Pelé.”

    É.

  • By espressa-mente!, 12/04/2010 @ 23:53

    Um lembrete, esta grao peculiar e em particular pede rapidamente as qualidades notadas por voce! nao que ele oxide rapidamente, nao é isso, ele perde buque e sabor depois de aberto!
    ainda prefiro bebe-lo tirado numa maquina profissional como a LaMarzocco do mercado!

  • By weno, 15/04/2010 @ 11:36

    numa prensa francesa, será que muda?

  • By Cristiano, 15/04/2010 @ 18:36

    Passando no centro ouço três pessoas conversando:
    “-Café pra mim é Melita!”

  • By espressa-mente!, 15/04/2010 @ 21:03

    weno,
    muda! é uma questao de gosto! veja o luwak é + bebido/consumido na origem e no japão na forma coado! que aliais dissem ser a que melhor extrai as qualidades do grão!

  • By Bruno Galera, 16/04/2010 @ 16:01

    Não conheço nenhum café industrializado pior do que o Melita.

  • By Hades, 03/05/2010 @ 14:39

    Mas nenhum dos grãos do Café do Mercado são muito bons! Aqui em Porto Alegre é complicado conseguir um café bom para espresso. Recomendo experimentar o café Roma da Idéa Caffé (http://ideacaffe.com.br/), é o meu preferido entre os mais “comuns”. É bom ver a cultura do bom café aparecendo por aqui, quem sabe a qualidade das nossas cafeterias aumenta!

  • By espressa-mente!, 03/05/2010 @ 15:57

    Hades nao boa falou besteira e ainda faz comercial de um site que fala..fala..fala e nao diz nada! Ao menos o cafe do mercado existe! ;o)

  • By José Eduardo, 02/11/2010 @ 14:50

    Tomei o Jacu preparado lá no Mercado, e foi um dos cafés mais medíocres que eu tomei nos últimos meses. Talvez tenha sido má execução. Quem sabe. Pedi um espresso curto depois para limpar o paladar.

  • By Eliseu, 09/06/2011 @ 16:28

    Não troco meu Mellita por Bosta de Jacu!!

  • By Roberto Wolff, 12/09/2011 @ 18:18

    A questão é: Onde comprar este café? Já procurei em vários lugares e não consigo encontrar aqui no Rio.

  • By Clovis, 31/01/2012 @ 19:46

    Primeiramente obrigado pelas mençoes no bloq, q alias tá muito legal. Hades, a Café do Mercado torra os melhores graos disponiveis no Brasil (BSCA) num torrador Diedrich e extraímos espressos em máquinas La Marzocco. Nossos cafés sao respeitados em todo o pais e exterior, inclusive nos colocando nas melhores posiçoes do brasileiro de barista diversas vezes. Esse café q tu menciona, usa conillon (robusta) em sua composiçao, ou seja nem 100% arábica é. Tu precisa te atualizar sobre café amigo. Abraço.

  • By MARIA DE LOURDES, 13/10/2012 @ 10:53

    GOSTARIA DE SABER ONDE POSSO ENCONTRAR ESSE CAFE AQUI EM SAO PAULO AGUARDO RESPOSTA OBRIGADA

  • By Maria Elena, 30/11/2012 @ 16:58

    Gostaria de saber em que ” Mercado” o José Eduardo tomou seu café Jacú: se foi na cafeteria que fica no mercado público de Porto Alegre é medíocre mesmo, pois eles economizam no produto e tiram um café p´ra lá de medíocre. Prove no Café do Mercado, no mercado municipal de Curitiba, aí sim vc estará apto a dar sua opinião sobre o produto Café Jacú.

Other Links to this Post

Feed RSS para comentários sobre este post. TrackBack URI

Deixe um comentário

WordPress Themes