Caffè del Barbiere

Conheci o trabalho do chef Marcelo Schambeck em um coquetel do projeto Pequenas Ações Terroristas. Chamou a atenção ver que ele montava as bandejas de salgadinhos e docinhos durante o evento, de modo que tudo estava sempre fresco. Depois chamou a minha atenção a originalidade dos petiscos, bem diferentes do arroz-de-festa dos coquetéis (croquetes, empadinhas e quetais). Havia até fatias de pão integral com coalhada e brotos de rabanete, para se ter uma idéia.

Lá peguei um cartão dele e há muito tempo estou para conferir um dos almoços especiais de seu restaurante, o Caffè del Barbiere. Toda quarta e sexta, é a promessa, serve-se um menu baseado no que há de bom no mercado. Entrada e prato principal custam R$ 15. É bom chegar antes do meio-dia ou após as 13h, sob pena de ter de esperar bastante uma das poucas mesas do lugar ser liberada. Ao menos o ambiente é interessante: o café divide o espaço com uma barbearia tradicional ainda em funcionamento e adota a mesma estética. Não se preocupe, há uma parede separando os cabelos cortados de sua comida.

Ao chegar no local e ver os pratos de nhoque e sopa de algum tipo de folha verde, fiquei um tanto decepcionado. Esperava um prato de apresentação luxuosa como os das fotos. Mas logo me dei conta de que era perfeito: se Schambeck conseguisse fazer um nhoque e uma sopa de espinafre que surpreendessem, ganharia muito mais o meu respeito. É fácil agradar com pratos diferentes e/ou estrambólicos, difícil é fazer bem o básico.

E posso dizer que o chef conseguiu surpreender. A sopa e o molho de carne de panela do nhoque estavam excelentes. O maior mérito de Schambeck é não ter receio de temperar a comida. De fato, confia tanto em seu gosto que nem mesmo há queijo ralado extra, sal ou pimenta na mesa. Faz bem em confiar, porque tem bom gosto. Se dá para reclamar de alguma coisa, é que a sopa talvez pudesse ter um tiquinho menos de pimenta. Nada que prejudicasse. Para a sobremesa, pedi tiramisú (R$ 5), seguindo a mesma linha de raciocínio de testar o básico. Aí, outra surpresa: o doce italiano que sofre tanto vilipêndio no Brasil estava perfeito, numa porção individual em taça com mascarpone de verdade por cima e bastante Amaretto no fundo.

O Barbiere também oferece várias opções de sanduíches, calzones e quiches interessantes e um bom café espresso. O atendimento é simpático e o próprio Schambeck leva a comida à mesa em alguns momentos, aproveitando para perguntar a opinião dos clientes.

CAFFÈ DEL BARBIERE – Mapa
Rua Jerônimo Coelho, 188
51 3019-4202

3 Comentários

  • By Guilherme Atencio, 22/05/2009 @ 16:06

    Pô Träsel, pára de me dar estas dicas! Eu nem sei por onde começar! Hehehehehe

  • By xerxenesky, 22/05/2009 @ 17:04

    Nunca comi Tiramisu decente por menos de 17 reais. Provarei.
    PS.: Meu pai fazia o tiramisu mais foda do Oeste. Pena que abandonou a cozinha.

Other Links to this Post

  1. Slow food no Del Barbiere | Garfada - Onívoros, uni-vos! — 27/09/2009 @ 23:07

Feed RSS para comentários sobre este post. TrackBack URI

Deixe um comentário

WordPress Themes