Koh Pee Pee

Khanom JeebOntem √† noite fui como convidado da assessoria de imprensa ao restaurante tailand√™s Koh Pee Pee, para provar o menu degusta√ß√£o que eles inclu√≠ram recentemente em seu card√°pio. Comi l√° algumas vezes, mas a √ļltima foi antes de criar este blog, por isso nunca escrevi uma resenha. Essa nova visita confirmou que o restaurante de Eduardo Sehn √© um dos tr√™s ou quatro que realmente valem a pena em Porto Alegre.

O menu degusta√ß√£o √© servido de ter√ßa a quinta-feira para grupos de no m√≠nimo quatro pessoas, porque exige prepara√ß√£o especial na cozinha. Assim, experimentei uma vers√£o reduzida, pensada para duas pessoas. A√≠ est√° um fato que j√° mostra a preocupa√ß√£o de Sehn com a qualidade: para n√£o prejudicar a apresenta√ß√£o e o frescor dos ingredientes, prefere deixar de lado alguns pratos. O chef circula o tempo todo entre as mesas do restaurante, conversando com os clientes e perguntando sobre a comida. Contou que h√° cerca de 20 anos estava morando em Aachen, na Alemanha, e resolveu tirar f√©rias na Tail√Ęndia. Ficou t√£o impressionado com a culin√°ria local que voltou de l√° com a resolu√ß√£o de abrir o Koh Pee Pee, nome de uma praia ao sul do pa√≠s. Visitou de restaurantes cinco estrelas a vendedores de rua, sempre que poss√≠vel pedindo para ver como eram preparadas as receitas. Ap√≥s os primeiros anos de opera√ß√£o na Praia do Rosa e depois em Florian√≥polis, mudou-se para Porto Alegre. Sehn conta que, no in√≠cio, trazia os temperos e ingredientes mais dif√≠ceis de encontrar na mala, quando ia √† Tail√Ęndia uma vez por ano. Hoje, o mercado aberto √† importa√ß√£o e o trabalho com produtores locais d√° conta do fornecimento.

Hoy Chen Neung ManawA segunda entrada foi o hoy chen neung manaw da foto ao lado, ou vieiras grelhadas ao molho picante de lim√£o, o bocado mais saboroso da noite inteira e que em minha vida de restaurantes s√≥ perde para a primeira bocada de foie-gras em termos de surpresa. Ao primeiro toque na l√≠ngua voc√™ sente o gosto do molho meio doce de lim√£o siciliano, pimenta e, se n√£o me falha o palato, a√ß√ļcar de palmeira, com outras especiarias. √Ä medida que vai mastigando, o sabor muda para um leve salgado marinho misturado ao azedo do lim√£o. Ao passar pela mesa ap√≥s as entradas, Sehn perguntou direto das vieiras, comentando “esse molho √© t√£o bom que d√° para comer √†s colheradas”. Fui obrigado a contar a ele que, de fato, havia tomado algumas colheradas do molho.

A primeira entrada foi khanom jeeb, ou trouxinhas de porco mo√≠do em massa fina (na primeira foto). Tenho comido muitas dessas por a√≠, todas com uma massa mais parecida com as massas recheadas italianas, o que √© um tanto grosseiro para a culin√°ria tailandesa. A do Koh Pee Pee √© fina como papel, crocante. Como prato principal, veio primeiro o kaeng ka-rhee gai, ou frango ao molho de curry amarelo com salada de pepino agridoce. Este ensopado √© bastante picante, portanto come-se com a salada de pepinos com amendoim, cebola e coentro por cima. Isso compensa a for√ßa do curry, gerando sabores perfeitamente equilibrados. A seguir veio o pla sam rut, fil√© de pargo ao molho agridoce de pimenta, tamarindo e a√ß√ļcar de palmeira, conhecido como “peixe de tr√™s sabores”. O pargo tem um toque marinho um tanto mais acentuado que outros peixes, e os tr√™s sabores na verdade se mesclam em um s√≥, meio indefin√≠vel. Os dois pratos principais s√£o acompanhados de arroz jasmim, que foi devidamente usado para limpar todo o molho restante da porcelana.

A sobremesa foi khao neow mamoang, arroz motti — vir√° do japon√™s mochi? — cozido no vapor com leite de coco natural e fatias de manga. Ou seja, arroz doce. Nesse momento, gelei. A primeira vez que comi arroz doce foi num jantar oferecido por um amigo de minha mulher, apenas para n√£o chate√°-lo, porque tenho grande avers√£o a doces feitos com arroz ou feij√£o. Encarei corajosamente a sobremesa do Koh Pee Pee e, embora n√£o pretenda pedi-la √† la carte, posso dizer que tampouco achei ruim. Os gr√£os de arroz s√£o envoltos por uma viscosidade perfeitamente homog√™nea e a manga e um pouco de gergelim d√£o uma quebrada no doce. O leite de coco em lugar do leite de vaca deixa o arroz doce muito melhor, tamb√©m. Admiro a t√©cnica empregada na confec√ß√£o da sobremesa, mas ainda n√£o posso dizer que gosto.

Detalhe interessante foi a sugest√£o de vinho ros√© para acompanhar o menu. Sempre √© dif√≠cil decidir o que tomar com comida oriental. Depois de muitas tentativas com espumante, vinho branco e quetais cheguei √† conclus√£o de que cerveja era mesmo o mais adequado, mas o ros√© funcionou muito bem. N√£o desaparece tanto quanto o vinho branco, nem esconde o sabor da comida como o tinto. Al√©m disso, como j√° comentei outro dia, o ros√© foi reabilitado recentemente, depois de anos conhecido como produto de m√° qualidade destinado a mulheres f√£s de vinho branco doce que queriam “variar”. Ontem provei o vinho argentino Carmela Benegas e o espumante Adolfo Lona. Al√©m desses, posso recomendar o espumante ros√© brut da Miolo. Se for beber, √© uma boa consultar o servi√ßo de chofer do restaurante. Por ser subsidiado pelas vin√≠colas, custa bem menos do que usar t√°xi. Segundo Sehn, para ir e voltar de Bel√©m Novo o valor √© R$ 20.

Os leitores mais freq√ľentes perceber√£o que essa √© uma resenha de entusiasmo acima da m√©dia. Devo admitir que a refei√ß√£o de ontem est√° entre as melhores da minha vida. Se voc√™ tem algum interesse em gastronomia, o Koh Pee Pee √© uma experi√™ncia transcedental e imperd√≠vel. Sugiro com toda veem√™ncia o menu degusta√ß√£o, porque √© a √ļnica maneira de comer as vieiras grelhadas e porque √© a melhor forma de conhecer os diferentes sabores da cozinha tailandesa a um pre√ßo mais em conta. S√£o oito pratos por R$ 140 por pessoa, pouco mais do que o pre√ßo de uma entrada, um prato principal e sobremesa, conforme o card√°pio.

KOH PEE PEE
Rua Schiller, 83 – Mapa
51 3333-5150

9 Coment√°rios

  • By J√ļlio, 08/08/2008 @ 16:08

    Ol√° Marcelo.

    Adorei a sua resenha sobre o menu degustação do Koh Pee Pee, mas eu tenho uma outra sugestão de vinho para dar, que pode encaixar perfeitamente com a culinária asiática.

    Um bom riesling alem√£o, dos produtores da regi√£o do reno, pode vir muito bem com a comida.

    Por ser um vinho mais mineral, muitas vezes até um pouco frutado e doce, ele cai bem com os temperos aos quais não estamos acostumados, e presentes na deliciosa culinária asiática (em especial da tailandia, indonésia e vietnam).

    Para a nossa sorte, os vinhos alem√£es, assim como os vinhos brancos e ros√©s em geral, perdem aquele estigma que eles sempre tiveram aqui no Brasil, de serem vinhos de suposta “2¬™ classe” ou femininos, como voc√™ mesmo citou no seu texto.

    Acho que vale a dica, pois eu fiz essa combinação em SP, e fui muito feliz com ela, ainda mais pelo fato do vinho estar geladinho, o que contribuiu para que os sabores dele se destacassem um pouco mais.

    Um abraço.

  • By Raquel, 08/08/2008 @ 20:40

    Te odeio profundamente. Sério. :P
    O Koh pee pee é meu top 1 restaurante ever. E olha que eu já comi em muitas partes do mundo. Lembro que tem um tailandes de tailandeses em San Francisco que chega perto em termos de sabor, mas perde em termos de apresentacao.

  • By dante, 12/08/2008 @ 13:31

    acho uma chatice essa coisa de “O chef circula o tempo todo entre as mesas do restaurante, conversando com os clientes e perguntando sobre a comida”. e muito mais se √© num restaurante bom desses, quando se vai pra alguma comemora√ß√£o ou pelo pr√≥prio prazer da DEGUSTA√á√ÉO.

    enfim.

    outra observa√ß√£o pertinente √© a tal “reabilita√ß√£o” do vinho ros√©. pra mim, √© apenas uma estrat√©gia comercial de “relan√ßamento” do produto. nada contra, aqui. apenas uma observa√ß√£o, mesmo.

  • By Filipe Menchen, 15/08/2008 @ 17:32

    Parab√©ns pela resenha, na minha opini√£o, o Koh Pee Pee √© o melhor restaurante de Porto Alegre. Sou um freq√ľentador eventual, mas vou l√° desde a inaugura√ß√£o da casa e nunca me decepcionei com qualquer aspecto. D√° gosto de ver os mesmos funcion√°rios de anos ainda por l√°, o que garante um atendimento impec√°vel. Fui l√° h√° cerca de um m√™s e vi o menu degusta√ß√£o listado, mas como estava somente eu e minha namorada, n√£o era uma op√ß√£o. N√£o vejo a hora de juntar outro casal para nos acompanhar. Grande abra√ßo!

  • By rodrigo, 14/04/2012 @ 02:16

    esse dante é um mala do caralho hein

Other Links to this Post

  1. Ainda mais do mesmo | Garfada - On√≠voros, uni-vos! — 08/05/2009 @ 18:38

  2. O melhor de Porto Alegre em 2009 | Garfada - On√≠voros, uni-vos! — 31/12/2009 @ 09:12

  3. Lua Marinha | Garfada - On√≠voros, uni-vos! — 23/02/2011 @ 00:11

  4. O Tigre Asi√°tico da Praia do Rosa | Garfada - On√≠voros, uni-vos! — 15/02/2013 @ 00:09

Feed RSS para coment√°rios sobre este post. TrackBack URI

Deixe um coment√°rio

WordPress Themes