O grande firewall australiano

Não é só no Brasil que o governo tenta controlar o uso da Internet. Países desenvolvidos, como a Austrália, também estão se esforçando para entrar no rol das repúblicas bananeiras conhecidas como “buracos negros da rede”, para fazer companhia à China e à Arábia Saudita. Parece que o departamento da Banda Larga, Comunicações e Economia Digital do governo australiano quer implementar um bloqueio a conteúdos considerados imorais ou pouco cívicos, além da pornografia, é claro. É coisa de fazer o senador Eduardo Azeredo corar.

Por exemplo, a livre expressão será monitorada e “conteúdo não desejado” será filtrado. Isto é, o governo terá o poder de decidir quais tipos de discursos são aceitáveis e quais não são. Se isso não é se dar poderes de censor, a Febraban não está por trás do PLC 89/2003. É provável que os jogos eletrônicos violentos ou possivelmente eróticos também sejam bloqueados, o que incluiria o Second Life.

O pior de tudo, no entanto, é o fato de que a lista de websites bloqueados será mantida em sigilo pelo governo. A justificativa é ridícula: publicar os endereços permitiria aos cidadãos tentar acessar o conteúdo sem imprimatur. O ministro Stephen Conroy não parece muito preocupado, entretanto, com questões menores, como o devido processo legal e a manutenção do Estado de Direito, para o qual a transparência nas questões jurídicas é fundamental.

O governo diz que todo conteúdo publicado na Web deverá receber uma classificação etária, mas a idéia é confusa. Há quem diga que a licença deverá ser concedida antes da publicação, mas isso tornaria qualquer empreendimento inviável. Imagine-se um webjornal tendo de submeter cada notícia à avaliação de burocratas antes de torná-la disponível. Se a filtragem for feita após a publicação, eletronicamente, também há problema, porque os testes resultaram em 3 a 6% de “superbloqueamento”, ou seja, o sistema impediu o acesso a até 6% de conteúdo perfeitamente legal.

Redes P2P também devem sofrer filtragem ou ser inteiramente bloqueadas e os australianos podem contar com uma diminuição na velocidade do tráfego de dados. Estimativas indicam que até 20 milhões de sites podem ser bloqueados.

7 ideias sobre “O grande firewall australiano

  1. Diego Camara

    É realmente complicado ver em que ponto chegaram alguns países em termos de censura.

    Interessante é ver um país teoricamente sério como a Austrália (colonização inglesa, liderança política regional, grande desenvolvimento econômico), colocar em pauta um projeto que se assemelha mais a nações subdesenvolvidas culturalmente, amantes do comunismo ou extremistas religiosos (onde se encaixam as nações já citadas por fazer as mesmas coisas).

    Realmente para mim é uma atitude incompreensível…

  2. Pingback: Mulheres na Campus Party » LuluzinhaCamp - onde a mulherada se encontra

  3. marcos

    …sou a favor da censura acho q assim estariamos nos educando melhor,esse tipo de censura ja acontece na maioria dos paises em outros meios de comunicacao a muito tempo so no brasil temos que aceitar excessos de violencia e sexo em nossos lares.

  4. Pingback: Achados na web #35 » Ladybug Brasil - Sobrevôos, descobertas, achados.

  5. RPS

    É, já estou vendo isso aqui no Brasil daqui a pouco, olha aonde nos estamos e pra onde nos iremos se não pudermos nós expressar com liberdade. Será que estamos voltando no tempo!? Censura, controle de informações… Gente! vamos acordar pois a época da ditadura já passou, se caso nos não agirmos em prol dos nossos direitos de escolher o que queremos ou não ver, ouvir e ler na internet, estaremos nós subordinando a aceitar o que querem que nos façamos, em pleno século XXI já sabemos muito bem fazer escolhas e a inocência já está mais do que perdida.

  6. Pingback: Praia de Xangri-Lá » Blog Archive » Luta pela liberdade não termina nunca

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *