Arquivo da tag: alemão

Na Reeperbahn, à meia noite e meia

O ator e cantor alemão Hans Albers era ligado à boemia anárquica de Hamburgo e foi a maior estrela do cinema alemão entre 1930 e 1945. Albers criava músicas para os seus papéis e uma das mais famosas é Auf der Reeperbahn Nachts um halb Eins, uma elegia à famosa zona de teatros de revista e meretrício do bairro Sankt Pauli. A canção é apresentada numa noite de ano novo, num bordel frequentado por marinheiros no filme Große Freiheit Nr. 7, um dos mais relevantes em que Albers atuou. A cultura dos marinheiros é um dos temas mais frequentes do cantor e os cabarés eram parte importante dessa cultura no início do século XX.

Auf der Reeperbahn Nachts um halb Eins é até hoje uma das canções em alemão mais conhecidas. Abaixo, o trecho relevante do filme homônimo, uma espécie de refilmagem de Große Freiheit Nr. 7, a letra da música em alemão e uma tradução livre.

Auf der Reeperbahn Nachts um halb Eins

Silbern klingt und springt die Heuer,
heut’ speel ick dat feine Oos.
Heute ist mir nichts zu teuer,
morgen geht die Reise los.
Langsam bummel ich ganz alleine
die Reeperbahn nach der Freiheit ‘rauf,
treff ich eine recht blonde, recht feine,
die gabel ich mir auf.

Komm doch, liebe Kleine, sei die meine, sag’ nicht nein!
Du sollst bist morgen früh um neune meine Herz allerliebste sein.
Ist dir’s recht, na dann bleib’ ich dir treu sogar bis um zehn.
Hak’ mich unter, wir wollen jetzt zusammen mal bummeln geh’n.

Auf der Reeperbahn nachts um halb eins,
ob du’n Mädel hast oder hast kein’s,
amüsierst du dich,
denn das findet sich
auf der Reeperbahn nachts um halb eins.
Wer noch niemals in lauschiger Nacht
einen Reeperbahnbummel gemacht,
ist ein armer Wicht,
denn er kennt dich nicht,
mein Sankt Pauli, Sankt Pauli bei Nacht.

Kehr ich heim im nächsten Jahre,
braungebrannt wie zo’n Hottentott;
hast du deine blonden Haare
schwarz gefärbt, vielleicht auch rot,
grüßt dich dann mal ein fremder Jung’,
und du gehst vorüber und kennst ihn nicht,
kommt dir vielleicht die Erinnerung wieder,
wenn leis’ er zu dir spricht:

Komm doch, liebe Kleine, sei die meine, sag’ nicht nein!
Du sollst bist morgen früh um neune meine Herz allerliebste sein.
Ist dir’s recht, na dann bleib’ ich dir treu sogar bis um zehn.
Hak’ mich unter, wir wollen jetzt zusammen mal bummeln geh’n.

Auf der Reeperbahn nachts um halb eins,
ob du’n Mädel hast oder hast kein’s,
amüsierst du dich,
denn das findet sich
auf der Reeperbahn nachts um halb eins.
Wer noch niemals in lauschiger Nacht
einen Reeperbahnbummel gemacht,
ist ein armer Wicht,
denn er kennt dich nicht,
mein Sankt Pauli, Sankt Pauli bei Nacht.

À meia noite e meia na Reeperbahn

A prata soa e o ano vira
Hoje ganho uma boa massagem
Hoje nada me é caro demais
Amanhã partimos em viagem
Devagar eu perambulo sozinho
Pela Reeperbahn até a liberdade
Encontro uma uma loira bem gata
Essa vou garfar para mim

Vem, queridinha, seja minha, não digas não
Tu vais ser até amanhã às nove a dona do meu coração
Se quiseres, posso me manter fiel até as dez
Pega minha cintura, vamos já passear juntos

À meia noite e meia na Reeperbahn,
Tenhas uma garota ou nenhuma
Tu te divertes
Já que estás
À meia noite e meia na Reeperbahn
Quem nunca passou uma noite acolhedora
Fazendo um passeio pela Reeperbahn
É um pobre coitado
Pois não te conhece
Meu Sankt Pauli, Sankt Pauli à noite

Quando eu voltar daqui um ano
Bronzeado como um hotentote
Você pintou seus cabelos loiros
De preto, ou talvez de vermelho
Um jovem estrangeiro vai te chamar
E tu chegas perto e não o reconheces
Mas talvez as lembranças voltem
Quando ele te disser suave:

Vem, queridinha, seja minha, não digas não
Tu vais ser até amanhã às nove a dona do meu coração
Se quiseres, posso me manter fiel até as dez
Pega minha cintura, vamos já passear juntos

À meia noite e meia na Reeperbahn,
Tenhas uma garota ou nenhuma
Tu te divertes
Já que estás
À meia noite e meia na Reeperbahn
Quem nunca passou uma noite acolhedora
Fazendo um passeio pela Reeperbahn
É um pobre coitado
Pois não te conhece
Meu Sankt Pauli, Sankt Pauli à noite

Fausto Goethe - Ilustração de Harry Clarke (1926)

Andando com palermas, até o Diabo se dá mal

A notícia de que o MBL, Rodrigo Constantino e Raquel Sherazade vêm sendo atacados pela direita menos esclarecida até mesmo do que os supracitados, por conta de suas críticas ao locaute/greve dos caminhoneiros, me lembrou de um trecho do Fausto, de Goethe, que se tornou meu lema de vida desde a primeira leitura.

No primeiro ato da segunda parte da tragédia, Fausto e Mefistófeles perambulam por alegorias da sociedade durante o carnaval, como uma corte imperial e salões de nobres e burgueses, galerias de arte. Nesta parte, Goethe busca apresentar sua visão das diferentes atividades humanas, na forma de arquétipos, em especial no que concerne à sua capacidade de trazer significado à vida.

Na última cena do primeiro ato, Fausto invoca o príncipe Paris e Helena de Troia, para que o imperador possa vislumbrar a essência da beleza masculina e feminina. Fausto, embora seja o prestidigitador, acaba se tornando vítima da própria ilusão. Quando Paris tenta raptar Helena, ele se irrita com a própria incapacidade de mudar o enredo da imagem. A conjuração explode, causa um tumulto e Fausto cai desacordado no chão. Neste ponto, Mefistófeles, carregando Fausto nas costas, lamenta:

Da habt ihr’s nun! mit Narren sich beladen
Das kommt zuletzt dem Teufel selbst zu Schaden.

Em tradução livre que não faz justiça alguma à poesia de Goethe:

Bem feito! Se encarregando de palermas
Até mesmo o Diabo acaba mal das pernas

O final deste primeiro ato da segunda parte de Fausto é um alerta para todas as situações da vida, mas no contexto político atual serve perfeitamente aos grupos que tentam se aproveitar do medo e da ignorância para avançar suas agendas: a quimera vai explodir em suas mãos.