Arquivo da tag: comunicação mediada por computador

Arqueologia da cibercultura

Relendo A obra de arte na era de sua reprodutibilidade técnica, publicado por Walter Benjamin em 1936, um trecho que passou despercebido nas leituras anteriores chamou a atenção na tese “Exigência de ser filmado”:

Durante séculos, houve uma separação rígida entre um pequeno número de escritores e um grande número de leitores. No fim do século passado, a situação começou a modificar-se. Com a ampliação gigantesca da imprensa, colocando à disposição dos leitores uma quantidade cada vez maior de órgãos políticos, religiosos, científicos, profissionais e regionais, um número crescente de leitores começou a escrever, a princípio esporadicamente. No início, essa possibilidade limitou-se à publicação de sua correspondência na seção “Cartas dos leitores”. Hoje em dia, raros são os europeus inseridos no processo de trabalho que em princípio não tenham uma ocasião qualquer para publicar um episódio de sua vida profissional, uma reclamação ou uma reportagem. Com isso, a diferença essencial entre autor e público está a ponto de desaparecer. Ela se transforma numa diferença funcional e contingente. A cada instante, o leitor está pronto a converter-se num escritor. Num processo de trabalho cada vez mais especializado, cada indivíduo se torna bem ou mal um perito em algum setor, mesmo que seja num pequeno comércio, e como tal pode ter acesso à condição de autor.

Não há quase nenhuma questão atual da Comunicação sobre a qual a Escola de Frankfurt não se tenha debruçado, ou ao menos comentado en passant. A citação de Benjamin resume a lógica da comunicação mediada por computador, cujo aprofundamento é responsável pelos debates em torno de webjornalismo participativo, blogs, Web 2.0, construção colaborativa do conhecimento e situação profissional do jornalista que hoje se travam.