Arquivo da tag: empreendedorismo

A inteligência coletiva não vai salvar o jornalismo

Nesta semana, dois eventos marcantes evidenciaram o problema de confiar na inteligência coletiva como solução para a crise da imprensa. Na madrugada do dia 14 de agosto, com a vitória do San Lorenzo na Copa Libertadores, o Impedimento encerrou suas atividades, após nove anos produzindo a melhor — e, por vezes, a única — cobertura de futebol sul-americano no Brasil. No dia seguinte, estreou o novo caderno de gastronomia de Zero Hora, agora sob a direção dos criadores do Destemperados, cujo primeiro post foi publicado há sete anos. Ambos iniciaram suas atividades como weblogs amadores na cidade de Porto Alegre e ampliaram suas atividades ao longo do tempo, profissionalizando-se e buscando formas de financiar a atividade editorial. Entretanto, apenas um deles sobreviveu. Por quê?

A resposta mais simples é que apenas um deles produzia jornalismo no sentido estrito. Embora o Impedimento publicasse mais crônicas esportivas do que reportagens ou notícias, sua perspectiva era sempre crítica, apontando dedos para as pessoas e instituições responsáveis, na visão dos autores, pelos problemas do futebol mundial. Às vezes, produziam até mesmo reportagens investigativas sobre o negócio da bola. Não eram uma redação tradicional, mas, ao contrário de grande parte da imprensa esportiva brasileira, não puxavam o saco de dirigentes para garantir acesso privilegiado aos corredores dos estádios. Em suma, buscavam, dentro dos limites operacionais estreitos de um grupo de repórteres sem esteio numa empresa ou instituição, publicar informação que alguém, em algum lugar, preferiria não ver publicada.

O Destemperados, por outro lado, se apresentou, desde o início, como um guia de restaurantes sem intenção de propor algum tipo de crítica, mas publicar crônicas agradáveis que registrassem estabelecimentos interessantes. De fato, um dos dez mandamentos dos Destemperados é “não avaliarás”. Não há, em essência, nenhum problema nessa abordagem, por duas razões: primeira, a política editorial é bastante explícita, de modo que leitores buscando crítica gastronômica não são levados ao equívoco; segunda, nenhum dos fundadores do weblog é jornalista — um é publicitário, o outro advogado e a terceira, formada em Relações Internacionais — e não estavam, portanto, submetidos ao código de ética dessa profissão. Não se pode, então, cobrar deles a observação da missão principal da imprensa.

Eu mesmo uso os guias de restaurantes e prestigio os eventos promovidos pelos Destemperados, mas não costumava ler com frequência o Impedimento. O objetivo aqui não é criticar a proposta de alguma das duas publicações. A sobrevivência do Destemperados e a morte do Impedimento são um bom ponto de partida, isto sim, para refletir sobre as soluções propostas pela cibercultura para o declínio do jornalismo strictu sensu ao redor do mundo e, mais especificamente, no Brasil.

Desde os anos 1990, em especial a partir da experiência do Centro de Mídia Independente durante os protestos contra a Organização Mundial do Comércio em Seattle, começou a surgir uma proposta de substituição da imprensa pela inteligência coletiva, turbas espertasmultidão ou qualquer outro nome que se queira dar à produção de informação e conhecimento por uma coletividade anônima interconectada pelas redes de computadores. Em linhas gerais, o argumento é o seguinte: a digitalização e a Internet causam uma crise econômica na imprensa ao eliminarem seu monopólio sobre a distribuição de informação, enquanto incentivam amadores e diletantes a produzir jornalismo, ensejando uma crise de legitimidade e de identidade entre os profissionais, cujo resultado, combinado à diminuição de verbas publicitárias, é o encerramento de diversos veículos ou a limitação da reportagem nas redações restantes; entretanto, a mesma Internet responsável pelo declínio do jornalismo é vista como a fonte de seus substitutos, que emergiriam da inteligência coletiva, através de um processo seletivo de traços darwinistas, para preencher as lacunas deixadas pela imprensa moribunda na esfera pública.

O raciocínio acima está bastante simplificado e dificilmente algum autor o segue literalmente — a maioria tem reservas ou é mais exagerado num ou noutro ponto — mas o resumo reflete a média do imaginário subjacente à relação entre tecnologia, inteligência coletiva e mídia que vem operando no Ocidente nos últimos anos. Há também os críticos dessa proposta, como Jaron LanierAndrew Keen e Robert McChesney, entre outros. Eles apontam algumas das armadilhas do pensamento tecnológico e da fé desmedida no maquinismo como solução para problemas que são, fundamentalmente, culturais e políticos. Um paralelo entre o Impedimento e o Destemperados pode ajudar a compreender essas críticas ao poder da inteligência coletiva de assumir as funções sociais jornalismo, ao menos no contexto local do Rio Grande do Sul.

O caso Impedimento

O Impedimento sempre foi um projeto paralelo de seus autores. Entretanto, começou a ganhar credibilidade no mundo do jornalismo, a formar uma comunidade de leitores fiéis e seus autores se viram, então, incentivados a passar das crônicas esportivas à reportagem em primeira mão. A média de page views por mês era de 230 mil, mas ao final da Copa do Mundo de 2014 atingiu 700 mil visualizações. Foi um dos primeiros weblogs brasileiros a usar o crowdfunding para realizar uma cobertura, ainda em 2009 — no caso, a final da Copa Libertadores da América. As vaquinhas sempre foram um sucesso e o Impedimento chegou mesmo a estabelecer uma parceria comercial com a revista Trivela, para a venda de anúncios. Os anúncios tradicionais, porém, nunca vieram em quantidade ou valor suficiente para comprar o leite das crianças.

Eles tentaram aproveitar a comunidade fiel de leitores através do ImpedClub, um modelo de assinatura mensal que premiava os clientes com alguns brindes simples. Conforme Douglas Ceconello, um dos editores, a resposta surpreendeu e cerca de 250 almas se associaram. Certos leitores chegavam a contribuir com o dobro do valor mensal de R$ 20 do plano mais caro, simplesmente porque amavam o Impedimento. Começaram a pagar por reportagens, usando o dinheiro do ImpedClub. Ainda assim, não foi o suficiente para garantir um pro-labore digno para a equipe editorial, apesar de apenas R$ 10 mil por mês serem suficientes. Os rapazes do Impedimento, aliás, eram mestres em mobilizar a comunidade de leitores. Um exemplo foi a ImpedCopa, um campeonato de futebol amador que em sua décima edição vai reunir 108 atletas em doze times.

Em resumo, o Impedimento seguiu a cartilha do jornalismo digital contemporâneo: produziram conteúdo segmentado e hiperlocal de qualidade, souberam mobilizar a comunidade de leitores, firmaram parcerias comerciais, usaram os ganhos de eficiência na comunicação da Internet para organizar esforços de crowdfunding e até mesmo “anúncios orgânicos”, isto é, publieditoriais, eles veicularam. De acordo com os defensores da inteligência coletiva como solução para a crise no jornalismo, portanto, deveriam ter conseguido pelo menos dinheiro suficiente para amealhar um pro-labore equivalente aos salários que receberiam numa redação. O mantra desses intelectuais lembra o do filme Campo dos Sonhos: “construa e eles virão”. O Impedimento construiu e alguns gatos pingados até apareceram, mas não em número suficiente para garantir a permanência da que talvez tenha sido a mais inovadora iniciativa de jornalismo esportivo da década.

Enquanto o Impedimento era velado, no dia 15 de agosto, o Destemperados atingia o ápice da trajetória em termos de legitimidade, assumindo a produção de conteúdo para o caderno Gastrô de Zero Hora. Além das resenhas de restaurantes, também passaram a produzir reportagens e entrevistas, que antes eram raras no veículo. A relação com a RBS vem de anos, começando com um programete na rádio Itapema. Nos últimos tempos, a parceria se consolidou.

O caso Destemperados

O Destemperados desde cedo começou a veicular anúncios no website, embora eles nunca tenham fornecido um rendimento significativo como o conteúdo patrocinado, ou branded content. Ainda em 2008, lançaram um guia de gastronomia focado no verão em Punta del Este. Também foram um dos primeiros blogs nacionais a produzir um aplicativo para smartphones. A partir daí, começaram a se expandir por diversas áreas, como organização de eventos e cursos de extensão em “food experience”, por exemplo. Além disso, os proprietários criaram outros blogs, segmentados para diferentes públicos, e uma agência de produção de conteúdo, a Winehouse. Um dos principais eventos organizados pelo Destemperados, já sob a égide da RBS, mas antes de efetivamente assumirem o caderno de gastronomia da Zero Hora, foi o Pop Up Restaurant, patrocinado pelo Matte Leão, que trouxe a Porto Alegre diversos chefs para jantares especiais ao longo de semanas.

O weblog segue como a principal plataforma de conteúdo, com 200 mil visitas e 500 mil visualizações por mês, em média. Entretanto, sua função parece ser mais divulgar a marca e incentivar anunciantes a comprarem outros produtos da empresa, como o conteúdo patrocinado e cotas em eventos. É a credibilidade do conteúdo do weblog que atrai alunos para o curso de “food experience”, comensais para os jantares e anunciantes ou patrocinadores para os guias. A habilidade com diferentes plataformas provavelmente foi a característica que levou a Zero Hora a firmar uma parceria comercial para a terceirização do caderno de gastronomia do jornal.

Assim como o Impedimento, o Destemperados soube mobilizar a comunidade de leitores para alavancar a audiência. A partir de 2012, começaram a alistar “food hunters” nas principais cidades do país e mesmo no exterior. Estes colaboradores produzem conteúdo local e mantêm o fluxo de publicação no weblog, além de aumentarem o valor do serviço para os usuários do aplicativo de celular, que podem contar com o Destemperados em viagens, por exemplo. Até a parceria com a Zero Hora, o Destemperados mantinha apenas dois funcionários além dos três fundadores. Com a demanda e os recursos da RBS, a equipe foi ampliada para doze pessoas.

Algumas lições sobre empreendimentos jornalísticos independentes

O que o Impedimento deixou, então, de fazer? Seus integrantes não aceitaram deixar de ser repórteres para se tornar administradores, porque o Impedimento, afinal, foi criado para que pudessem fazer melhores reportagens, não para lidar com anunciantes e agências de publicidade o dia todo. Seria possível argumentar que o espírito crítico do Impedimento afastou anunciantes, mas esta não é a avaliação de Ceconello, que afirma nunca ter percebido mal-estar nas relações com anunciantes. O problema principal, para ele, foi o despreparo das agências de publicidade para lidar com pequenos empreendimentos jornalísticos: pregam a inovação, mas são conservadoras ao formatar parcerias; ou então, enviam produtos em lugar de anúncios, como se os repórteres pudessem se sustentar com escambo.

O que o Destemperados fez diferente? Focaram-se em resultados comerciais antes mesmo de começar a produzir conteúdo. Segundo o diretor Diego Fabris, os produtos multiplataforma foram pensados em conjunto com o weblog, há sete anos, mas lançados aos poucos. Por um lado, o fato de publicarem resenhas permite se dedicar a questões administrativas sem deixar de escrever; afinal, todo mundo precisa comer em algum momento e se pode perceber nos textos que as refeições e viagens de lazer são o momento principal de coleta de informações dos fundadores do Destemperados. Além disso, a abertura à participação dos leitores, com o projeto Food Hunters, permitiu aos proprietários manter a frequência de publicação e expandir a base de audiência para além do Rio Grande do Sul sem incorrer em custos com ampliação da equipe, ao menos de início. O resultado é que, em média, o Destemperados fatura em torno de R$ 50 mil por mês, ou cinco vezes a necessidade mínima do Impedimento.

O Impedimento, ressalte-se, usou os recursos do ImpedClub para contratar free-lancers, em lugar de reinvestir na ampliação dos negócios. Esse fato evidencia a mentalidade jornalística de seus administradores, que, de outro modo, talvez houvessem pensado em formas de transformar o capital em lucro. A própria ImpedCopa poderia ser um evento gerador de faturamento, se pudessem firmar parcerias com patrocinadores. Todavia, como Ceconello deixou claro, não há boa vontade dos anunciantes em relação a empreendimentos pequenos. Essa avaliação é coerente com minha experiência pessoal: há uns dez anos, participei da revista impressa Type, cujo fundador contratou uma pessoa experiente em comercialização de anúncios, mas mesmo assim esbarrou no preconceito das grandes agências com uma revista ainda pouco firme no mercado. O problema é que sem anúncios a revista também não teve como se firmar e, assim, encerrou as atividades. É simplesmente mais seguro e fácil anunciar nos canais de sempre.

Uma das poucas formas de obter anunciantes e patrocinadores sem ter credibilidade no mercado parece ser a mobilização de relações pessoais. Se há na publicação uma pessoa com boas relações no mercado; amigo, parente, ou colega de proprietários de empresários ou sócios de agências de publicidade, os anúncios chegam como favor pessoal, não necessariamente como reconhecimento pela qualidade do conteúdo. Uma segunda forma é a adulação pura e simples dos novos-ricos, que explica a existência de revistas como South Star e websites como o RS Negócios. Noutras palavras, as relações de poder seguem como o principal fator de sucesso de um empreendimento jornalístico, como ocorria na era pré-Internet.

Em resumo, o argumento “construa e eles virão” não se sustenta no mundo real. Se a inteligência coletiva mediada tecnicamente pela Internet fosse suficiente para a seleção natural do jornalismo strictu sensu e sua manutenção, o Impedimento deveria ter feito até mais sucesso comercial do que o Destemperados. Então, é preciso deixar de confiar na tecnologia para suprir a necessidade das sociedades democráticas por jornalismo e buscar alternativas no campo da política.

Alguns pontos relevantes que se pode depreender das duas trajetórias descritas acima:

1. Se é um empreendimento, alguém na equipe deve assumir o papel de empresário. A principal diferença entre o Impedimento e o Destemperados foi a predominância de uma mentalidade jornalística no primeiro e de uma mentalidade empresarial no segundo. Deixando-se de lado esse fator, todas as outras condições e circunstâncias são muito semelhantes, assim como ambos apresentam boa qualidade de conteúdo dentro de suas propostas.

2. Se ninguém na equipe mantém boas relações com empresários, políticos ou agências de publicidade, só há duas alternativas de financiamento: patrocínio do terceiro setor ou faturamento com venda direta à audiência. O problema do patrocínio do terceiro setor é depender também, em alguma medida, de boas relações políticas. Embora em geral a concorrência por bolsas seja mais aberta, baseada em editais, os selecionadores levam em conta a inserção de um determinado projeto numa comunidade de ativistas — por exemplo, o fato de algum dos proponentes já haver participado de outros projetos como voluntário ou funcionário. Além disso, em geral esse tipo de patrocínio se foca em jornalismo voltado a questões políticas e sócio-econômicas, o que eliminaria tanto o Impedimento quanto o Destemperados do concurso.

3. O problema de contar com financiamento direto pela audiência é ninguém ainda ter descoberto exatamente como vender notícias para leitores na era do jornalismo pós-industrial. Se alguém descobrir como fazê-lo, avise.

4. A terceirização parece ser uma via promissora, ao menos no Brasil. Além do Destemperados, há em Porto Alegre a experiência de agências como Cartola, Fronteira e República. Seus fundadores são repórteres jovens que, insatisfeitos com as restrições das redações tradicionais, pediram demissão e criaram suas próprias empresas. Hoje, prestam serviços para seus ex-empregadores e inclusive grandes veículos do Sudeste. Ganharam mais liberdade de escolha das pautas a serem perseguidas e, ao mesmo tempo, melhores salários e qualidade de vida. Essa abordagem, porém, talvez não salvasse o impedimento, pois a RBS terceirizar parte de sua cobertura esportiva para uma publicação independente significaria assumir falhas numa área que talvez concentre a maior parte da força de trabalho editorial da empresa, para não falar da maior massa de vaidade.