Arquivo da tag: Google Drive

Como criar um arquivo de tweets no Google Drive

O maior problema do Twitter é a volatilidade do conteúdo. Pesquisadores e jornalistas interessados em compreender ou monitorar um acontecimento a partir dessa rede social precisam contar com um programador para capturarem o conteúdo relevante diretamente através da API em tempo real, ou se contentar com os últimos 1500 tweets oferecidos nas buscas por usuários ou termos.

Mas para tudo há solução na Internet, se a pessoa procurar com boa vontade.

Nos últimos meses, passamos a usar no Editorial J uma gambiarra, aproveitando um script para gerar um fluxo RSS a partir de um widget do Twitter, desenvolvido por Amit Agarwal, e o serviço de automatização IFTTT.

O If This Then That (Se Isso, Então Aquilo) permite combinar conteúdo de diversas fontes em “receitas” que cobrem grande parte das necessidades de jornalistas e pesquisadores. Por exemplo, pode-se definir que todo tweet marcado como favorito será arquivado num documento no DropBox, ou até mesmo controlar lâmpadas inteligentes a partir do horário de nascer e pôr-do-sol de serviços de climatologia. Por alguma razão, entretanto, é pouco conhecido no Brasil. Em termos simples, é uma forma de programar sem saber programar.

Na época do Twitter de raiz, do Twitter arte, ainda era possível usar os fluxos RSS gerados pelas timelines dos usuários, listas e outros recursos e direcioná-los diretamente para uma planilha no Google Drive usando o IFTTT. Desde que o Twitter decidiu se fechar para controlar melhor seus negócios, entretanto, os fluxos RSS foram descontinuados. Então, é necessário contar com a ajuda dos hackers.

Amit Agarwal criou um script que pode ser rodado no Google Drive para capturar tweets. Sua aplicação é simples, embora exija um tanto de atenção. Segue abaixo uma tradução das instruções:

1. Antes de mais nada, registre-se no Twitter e vá para a página de criação de widgets. Crie o filtro que você deseja, como, por exemplo, uma busca por palavra-chave, um widget para uma lista específica de usuários, ou ainda um widget para a sua própria timeline, caso queira arquivar seus tweets.

2. Ao publicar o widget, o Twitter vai gerar um código de incorporação. Neste código, há um atributo “ID”, como no exemplo. Guarde o número após “data-widget-id”:

<a class="twitter-timeline" href="https://twitter.com/hashtag/VOTOJ" data-widget-id="518141229486182400">#VOTOJ Tweets</a><script>!function(d,s,id){var js,fjs=d.getElementsByTagName(s[0],p=/^http:/.test(d.location)?'http':'https';if(!d.getElementById(id)){js=d.createElement(s);js.id=id;js.src=p+"://platform.twitter.com/widgets.js";fjs.parentNode.insertBefore(js,fjs);}}(document,"script","twitter-wjs");</script>

3. Agora, clique neste link para copiar o script de Agarwal em sua conta do Google Drive. Selecione a aba “run” e, depois, “Twitter_RSS”, para autorizar a conexão ao Twitter.

4. Vá até a aba “publish” e escolha “deploy as Web App”, depois clique no botão “save a new version”. Na rubrica “who has access to the app”, defina “anyone, including anonymous”.
Com isso, o Google Script vai gerar uma URL para o aplicativo, semelhante a esta: https://script.google.com/macros/s/ABCD/exec. O trecho “ABCD” vai mudar conforme o seu usuário no Google Drive.

5. Agora, adicione um ponto de interrogação ao final desta URL, seguido pelo ID do widget que você criou no Twitter. No caso do widget acima, ela ficaria mais ou menos assim: https://script.google.com/macros/s/ABCD/exec?518141229486182400.

Assim, você já tem um endereço de fluxo RSS para usar no IFTTT. Se quiser, você pode usar esta receita que nós criamos para o Editorial J. Caso contrário, siga os seguintes passos:

  1. Em “channels”, ative o canal do Google Drive. Você precisará inserir seus dados de login do Google. O canal de RSS deve estar ativado por padrão.
  2. Em “my recipes”, escolha “create recipe”. Clique em “this” e selecione o botão laranja de “feed”. Escolha o “trigger”, ou gatilho, “new feed item”. Cole a URL gerada no processo anterior.
  3. Clique em “that” e escolha o canal do Google Drive. Depois, escolha a “action”, ou ação, “add row to spreadsheet”.
  4. Dê um nome à sua planilha. Em “formatted row”, você pode retirar ou incluir parâmetros. Clicando no ícone azul de garrafa de laboratório, é possível, por exemplo, incluir o autor dos tweets como um dos atributos a serem armazenados. Finalmente, defina uma pasta diferente para a planilha, se quiser.
  5. Clique em “create action” e — voilá! – você agora tem um sistema automatizado de arquivamente de tweets. (Ao menos, até o Twitter decidir mudar a API de novo.)

O IFTTT vai criar planilhas novas automaticamente toda vez que uma delas chegar aos mil registros, então, dependendo do tipo de conteúdo desejado, você pode vir a ter dezenas de planilhas XLS. Depois, basta consolidar tudo um só banco de dados.