Arquivo da tag: jornalismo computacional

O jornalismo guiado por dados de acordo com Giannina Segnigni

O jornal El País divulgou uma palestra sobre jornalismo guiado por dados proferida pela repórter costa-riquenha Giannina Segnigni. A jornalista recebeu recentemente o prêmio Gabriel García Márquez e é especializada em investigação de tráfico e contrabando.

Segnini divide o jornalismo guiado por dados (JGD) em cinco etapas:

  1. Obtenção dos dados — Por um lado, é preciso conhecer os tipos de formatos e arquivos usados para a armazenagem de dados pelo setor público, para poder fazer pedidos de acesso à informação eficazes. Por outro, é preciso conhecer o marco jurídico que rege o a disponibilidade dos bancos de dados governamentais.
  2. Limpeza dos dados — É essencial, porque dados com ruído inviabilizam ou engendram erros na etapa seguinte, de análise.
  3. Análise dos dados — Para Segnini, esta é a etapa eminentemente jornalística do JGD. Envolve comparar, cruzar e correlacionar dados para encontrar tendências, padrões, comportamentos atípicos e explicações de fenômenos sociais.
  4. Verificação dos dados — O fato de uma base de dados ser produzida por uma instituição pública não garante a consistência da informação. É preciso tratar os dados com ceticismo, como se faz com qualquer outra fonte.
  5. Visualização dos dados — “Entrevistar” os dados e encontrar informação pode não ser suficiente, em geral é preciso apresentar as descobertas de forma atrativa para o leitor.

Durante a palestra, ela critica o que Paul Bradshaw chama de “data porn”: visualizações com muita pirotecnia, mas que não oferecem ao leitor a possibilidade de explorar ou comparar dados, ou mesmo apresentam pouco valor informativo. A seu ver, uma boa peça de JGD não deixa perguntas no ar — porque encontrar respostas é, afinal, o trabalho dos jornalistas — e não deixa o leitor perdido num oceano de dados.

A principal vantagem do JGD para o jornalismo, para Segnini, é a criação de informação inteligente, diferenciada, num mundo em que a maior parte da informação é agregada de terceiros e muito pouco contextualizada.

Ao final, a costa-riquenha lembra o adágio sobre ver o bosque e não se focar nas árvores, para dizer que, com o JGD, é possível ver as duas coisas ao mesmo tempo. O leitor comum pode desfrutar das visualizações, enquanto os nerds podem ter acesso às bases de dados completas e explorá-las por si mesmos. Com isso, aumenta a transparência da reportagem, mas do jornalista passa a ser exigida uma abdicação do controle total sobre a narrativa.