Arquivo da tag: jornalismo de dados

Visualizações de dados concretas

Nas últimas semanas, tive contato com dois projetos artísticos que me levaram a pensar, na falta de termo melhor, nas possibilidades oferecidas por visualizações de dados concretas.

O primeiro projeto se chama Hypotopia e foi criado por estudantes de arquitetura da Technisches Universität de Viena. A proposta era mostrar ao público o significado dos 19 bilhões de euros usados pelo governo austríaco para salvar da falência o banco Hypo Alpe Adria. A solução foi criar uma cidade-modelo para mais de cem mil habitantes, em blocos de concreto e madeira, no centro de Viena.

O cidadão podia caminhar ao largo e por entre os blocos da maquete, que previsa ruas sem carros, sustentabilidade energética e outros benefícios ainda não existentes nas cidades normais, para cujos aprimoramentos os governos alegam jamais ter dinheiro suficiente. O impacto de medir com os próprios olhos, ainda que em escala, poder até mesmo tocar com as mãos, o prejuízo causado à Áustria por um banco irresponsável é certamente maior do que o impacto de um gráfico de barras, ou mesmo uma simulação em vídeo, numa tela de computador. A necessidade de se deslocar até uma praça para desfrutar de Hypotopia, de tomar tempo para apreciá-la, também estabelece uma relação mais reflexiva, talvez, entre o público e a visualização, do que os poucos segundos de atenção dispensados a um gráfico competindo com meia dúzia de notificações numa tela.

Um outro projeto interessante é Dein Erdanteil, apresentado em Berlim pelo artista plástico sueco Nikolaj Cyon. Ele criou um jardim no aeroporto de Tempelhof, onde plantou ervas, verduras e frutos como pepinos e abóboras. O jardim ocupa uma área de 19,75 metros quadrados, o equivalente a 1/100 da área de terra agriculturável disponível por ser humano, conforme dados da FAO.

Obra Dein Erdanteil (2012), de Nikolaj Cyon, em exposição em Berlim. (Reprodução)

Obra Dein Erdanteil (2012), de Nikolaj Cyon, em exposição em Berlim. (Reprodução)

O jardim permite ao público estabelecer uma relação mais direta, mensurável em escala humana, da quantidade de recursos naturais disponíveis para cada um de nós. É fácil multiplicar os cestos de tomates e folhas por 100 e perceber se estamos individualmente abusando, ou não, do espaço que nos foi designado pela mãe natureza.

Embora não tenha observado estas duas obras ao vivo, mas apenas por imagens na Web, seu impacto sobre minha compreensão dos problemas discutidos por ambas foi muito grande. Só posso imaginar qual foi o tamanho de sua influência sobre o público das exposições. Talvez fosse produtivo para a imprensa realizar experimentos nessa linha, mesmo que para serem distribuídos primordialmente em imagens.

Nove regras para identificar besteiras

O astrônomo e divulgador da ciência Carl Sagan escreveu, pouco antes de sua morte nos anos 1990, O mundo assombrado pelos demônios, livro no qual procura mostrar como o raciocínio lógico e procedimentos experimentais adequados podem combater as forças do obscurantismo.

Sagan oferece nove dicas para identificar besteiras, falácias, fraudes e outros tipos de charlatanismo. O “kit de deteção de bobagens” foi pensado por ele para cientistas aplicarem a si mesmos, mas serve bem para jornalistas, especialmente os que se dedicam ao trabalho com dados. Segue uma tradução livre:

  1. Sempre que possível, deve haver confirmação independente dos “fatos”.

  2. Incentive um debate profundo sobre as evidências pelos proponentes especializados, representando todos os pontos de vista.

  3. Argumentos baseados em autoridade têm pouca importância – “autoridades” cometeram erros no passado. Eles vão fazê-lo novamente no futuro. Talvez a melhor maneira de dizer isso é que na ciência não existem autoridades; no máximo, há especialistas.

  4. Conceba mais de uma hipótese. Se há algo a ser explicado, pense em todas as maneiras diferentes em que poderia ser explicado. Então, pense em testes pelos quais você poderia refutar sistematicamente cada uma das alternativas. O que sobreviver, a hipótese que resiste à refutação nesta seleção darwiniana entre “múltiplas hipóteses de trabalho”, tem uma chance muito melhor de ser a resposta certa do que se você tivesse simplesmente executado a primeira idéia que lhe chamou a atenção.

  5. Tente não ficar demasiado ligado a uma hipótese só porque é sua. Ela é apenas uma estação intermediária na busca do conhecimento. Pergunte-se por que você gosta da ideia. Compare-a de forma justa com as alternativas. Procure encontrar razões para rejeitá-la. Se não o fizer, outros o farão.

  6. Quantificar. Se tudo o que você está explicando tem alguma medida, alguma quantidade numérica vinculada, você será muito mais capaz de discriminar entre as hipóteses concorrentes.

  7. O que é vago e qualitativo está aberto a muitas explicações. É claro que há verdades que devem ser buscadas nas muitas questões qualitativas que somos obrigados a enfrentar, mas encontrá-las é mais desafiador.

  8. Se há uma cadeia de argumentos, todos os elos da cadeia devem funcionar (inclusive a premissa) – e não apenas a maioria deles. Navalha de Occam. Esta regra conveniente nos exorta, quando confrontados com duas hipóteses que explicam os dados igualmente bem, em escolher a mais simples.

  9. Sempre pergunte se a hipótese pode ser, pelo menos em princípio, falseada. Proposições que não são testáveis, irrefutáveis, não valem muito. Considere a grande ideia de que nosso Universo e tudo nele é apenas uma partícula elementar – um elétron, por exemplo – num Cosmos muito maior. Mas se nunca pudermos adquirir informações de fora de nosso universo, não é a ideia impassível de refutação? Você deve ser capaz de verificar as afirmações. Céticos inveterados devem ter a oportunidade de seguir o seu raciocínio, para duplicar seus experimentos e ver se eles obtêm o mesmo resultado.

O jornalismo guiado por dados de acordo com Giannina Segnigni

O jornal El País divulgou uma palestra sobre jornalismo guiado por dados proferida pela repórter costa-riquenha Giannina Segnigni. A jornalista recebeu recentemente o prêmio Gabriel García Márquez e é especializada em investigação de tráfico e contrabando.

Segnini divide o jornalismo guiado por dados (JGD) em cinco etapas:

  1. Obtenção dos dados — Por um lado, é preciso conhecer os tipos de formatos e arquivos usados para a armazenagem de dados pelo setor público, para poder fazer pedidos de acesso à informação eficazes. Por outro, é preciso conhecer o marco jurídico que rege o a disponibilidade dos bancos de dados governamentais.
  2. Limpeza dos dados — É essencial, porque dados com ruído inviabilizam ou engendram erros na etapa seguinte, de análise.
  3. Análise dos dados — Para Segnini, esta é a etapa eminentemente jornalística do JGD. Envolve comparar, cruzar e correlacionar dados para encontrar tendências, padrões, comportamentos atípicos e explicações de fenômenos sociais.
  4. Verificação dos dados — O fato de uma base de dados ser produzida por uma instituição pública não garante a consistência da informação. É preciso tratar os dados com ceticismo, como se faz com qualquer outra fonte.
  5. Visualização dos dados — “Entrevistar” os dados e encontrar informação pode não ser suficiente, em geral é preciso apresentar as descobertas de forma atrativa para o leitor.

Durante a palestra, ela critica o que Paul Bradshaw chama de “data porn”: visualizações com muita pirotecnia, mas que não oferecem ao leitor a possibilidade de explorar ou comparar dados, ou mesmo apresentam pouco valor informativo. A seu ver, uma boa peça de JGD não deixa perguntas no ar — porque encontrar respostas é, afinal, o trabalho dos jornalistas — e não deixa o leitor perdido num oceano de dados.

A principal vantagem do JGD para o jornalismo, para Segnini, é a criação de informação inteligente, diferenciada, num mundo em que a maior parte da informação é agregada de terceiros e muito pouco contextualizada.

Ao final, a costa-riquenha lembra o adágio sobre ver o bosque e não se focar nas árvores, para dizer que, com o JGD, é possível ver as duas coisas ao mesmo tempo. O leitor comum pode desfrutar das visualizações, enquanto os nerds podem ter acesso às bases de dados completas e explorá-las por si mesmos. Com isso, aumenta a transparência da reportagem, mas do jornalista passa a ser exigida uma abdicação do controle total sobre a narrativa.