Arquivo da tag: tutorial

Nunca deixe de corrigir valores pela inflação

Há pouco mais de uma semana, expliquei por que jamais se deve usar números absolutos para comparar populações de tamanhos muito diferentes. Neste artigo, mostro que deixar de corrigir valores pela inflação, além de ser enganoso, pode fazer um jornalista perder boas manchetes.

Tomem como exemplo esta notícia do Jornal do Comércio de Porto Alegre sobre os investimentos da Secretaria de Educação do Rio Grande do Sul nos primeiros trimestres de 2007 a 2019. A notícia traz a tabela abaixo:

{'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2019/04/21/206x137/1_fklmsfklmdsf-8697678.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5cbd011c77b41', 'cd_midia':8697678, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2019/04/21/fklmsfklmdsf-8697678.jpg', 'ds_midia': ' ', 'ds_midia_credi': ' ', 'ds_midia_titlo': ' ', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '800', 'cd_midia_h': '365', 'align': 'Left'}

A partir desses números, o repórter afirma que o investimento em educação no primeiro trimestre de 2019 foi o mais baixo em 12 anos, ou seja, o mais baixo da série histórica exceto pelo ano de 2007.

Em nenhum ponto do texto há menção a uma possível correção monetária. No entanto, para verificar se o jornalista havia corrigido os valores pela inflação do período, tentei encontrar os dados no portal de transparência do governo do Estado. Aparentemente, não foi realizada uma correção, se levarmos em conta a coincidência de valores no ano de 2013:

A ausência de correção monetária é um equívoco muito comum de se encontrar no noticiário. É triste, porque muitas vezes se perde a oportunidade de encontrar um furo muito mais interessante. Vejam como ficariam os valores se corrigidos pelo IPCA de março de 2019 — o mesmo índice usado para calcular a meta de inflação do Brasil e por isso o mais adequado para este tipo de operação — usando a Calculadora do Cidadão oferecida pelo Banco Central:

AnoValor nominalValor corrigido
2007R$ 2.781.418,24R$ 5.458.742,18
2008R$ 5.805.877,78R$ 11.018.938,28
2009R$ 8.390.142,22R$ 14.862.879,37
2010R$ 11.740.459,39R$ 19.839.312,40
2011R$ 9.927.122,79R$ 15.823.438,63
2012R$ 6.061.717,00R$ 9.128.217,18
2013R$ 28.522.668,04R$ 40.401.244,04
2014R$ 17.166.732,42R$ 23.009.143,11
2015R$ 13.417.482,59R$ 16.697.870,58
2016R$ 7.885.033,96R$ 8.891.938,60
2017R$ 10.116.905,46R$ 10.890.557,36
2018R$ 5.917.431,89R$ 6.193.745,19
2019R$ 3.492.361,63R$ 3.492.361,63

Agora, vejamos como fica o ranking de maiores investimentos em educação no primeiro trimestre se organizarmos as duas colunas por ano, a partir da ordem decrescente do valor investido:

PosiçãoValor nominalValor corrigido
120132013
220142014
320152010
420102015
520172011
620112009
720092008
820162017
920122012
1020182016
1120082018
1220192007
1320072019

Percebem como vários anos mudam de posição no ranking corrigido?

Ao atualizar os valores nominais encontrados no portal de transparência do Estado, podemos perceber que, na verdade, o investimento em educação no primeiro trimestre de 2019 foi o mais baixo da série histórica. De fato, o investimento neste ano foi 36% menor do que em 2007. Esses números renderiam manchetes muito mais dramáticas.

Além disso, a correção evita a injustiça de se considerar a ex-governadora Yeda Crusius a responsável pelo pior primeiro trimestre na educação.

Um motivo adicional para sempre se corrigir valores monetários é o fato de muitos políticos se aproveitarem da diferença de poder de compra de cada real entre um ano e outro para enrolar a população.

Digamos que um governo tenha investido em janeiro de 2018 R$ 10 milhões em segurança pública e mais R$ 10,3 milhões na mesma área em janeiro de 2019. O governador vai dizer que aumentou os recursos para a segurança de um ano para outro, mas, se corrigirmos o valor antigo pelo IPCA, podemos verificar que apenas para cobrir a inflação e manter o mesmo nível de investimento, o montante atual deveria ser de R$ 10,4 milhões. Na verdade, o Estado estaria investindo menos do que no ano anterior em valores corrigidos.

Como criar um arquivo de tweets no Google Drive

O maior problema do Twitter é a volatilidade do conteúdo. Pesquisadores e jornalistas interessados em compreender ou monitorar um acontecimento a partir dessa rede social precisam contar com um programador para capturarem o conteúdo relevante diretamente através da API em tempo real, ou se contentar com os últimos 1500 tweets oferecidos nas buscas por usuários ou termos.

Mas para tudo há solução na Internet, se a pessoa procurar com boa vontade.

Nos últimos meses, passamos a usar no Editorial J uma gambiarra, aproveitando um script para gerar um fluxo RSS a partir de um widget do Twitter, desenvolvido por Amit Agarwal, e o serviço de automatização IFTTT.

O If This Then That (Se Isso, Então Aquilo) permite combinar conteúdo de diversas fontes em “receitas” que cobrem grande parte das necessidades de jornalistas e pesquisadores. Por exemplo, pode-se definir que todo tweet marcado como favorito será arquivado num documento no DropBox, ou até mesmo controlar lâmpadas inteligentes a partir do horário de nascer e pôr-do-sol de serviços de climatologia. Por alguma razão, entretanto, é pouco conhecido no Brasil. Em termos simples, é uma forma de programar sem saber programar.

Na época do Twitter de raiz, do Twitter arte, ainda era possível usar os fluxos RSS gerados pelas timelines dos usuários, listas e outros recursos e direcioná-los diretamente para uma planilha no Google Drive usando o IFTTT. Desde que o Twitter decidiu se fechar para controlar melhor seus negócios, entretanto, os fluxos RSS foram descontinuados. Então, é necessário contar com a ajuda dos hackers.

Amit Agarwal criou um script que pode ser rodado no Google Drive para capturar tweets. Sua aplicação é simples, embora exija um tanto de atenção. Segue abaixo uma tradução das instruções:

1. Antes de mais nada, registre-se no Twitter e vá para a página de criação de widgets. Crie o filtro que você deseja, como, por exemplo, uma busca por palavra-chave, um widget para uma lista específica de usuários, ou ainda um widget para a sua própria timeline, caso queira arquivar seus tweets.

2. Ao publicar o widget, o Twitter vai gerar um código de incorporação. Neste código, há um atributo “ID”, como no exemplo. Guarde o número após “data-widget-id”:

<a class="twitter-timeline" href="https://twitter.com/hashtag/VOTOJ" data-widget-id="518141229486182400">#VOTOJ Tweets</a><script>!function(d,s,id){var js,fjs=d.getElementsByTagName(s[0],p=/^http:/.test(d.location)?'http':'https';if(!d.getElementById(id)){js=d.createElement(s);js.id=id;js.src=p+"://platform.twitter.com/widgets.js";fjs.parentNode.insertBefore(js,fjs);}}(document,"script","twitter-wjs");</script>

3. Agora, clique neste link para copiar o script de Agarwal em sua conta do Google Drive. Selecione a aba “run” e, depois, “Twitter_RSS”, para autorizar a conexão ao Twitter.

4. Vá até a aba “publish” e escolha “deploy as Web App”, depois clique no botão “save a new version”. Na rubrica “who has access to the app”, defina “anyone, including anonymous”.
Com isso, o Google Script vai gerar uma URL para o aplicativo, semelhante a esta: https://script.google.com/macros/s/ABCD/exec. O trecho “ABCD” vai mudar conforme o seu usuário no Google Drive.

5. Agora, adicione um ponto de interrogação ao final desta URL, seguido pelo ID do widget que você criou no Twitter. No caso do widget acima, ela ficaria mais ou menos assim: https://script.google.com/macros/s/ABCD/exec?518141229486182400.

Assim, você já tem um endereço de fluxo RSS para usar no IFTTT. Se quiser, você pode usar esta receita que nós criamos para o Editorial J. Caso contrário, siga os seguintes passos:

  1. Em “channels”, ative o canal do Google Drive. Você precisará inserir seus dados de login do Google. O canal de RSS deve estar ativado por padrão.
  2. Em “my recipes”, escolha “create recipe”. Clique em “this” e selecione o botão laranja de “feed”. Escolha o “trigger”, ou gatilho, “new feed item”. Cole a URL gerada no processo anterior.
  3. Clique em “that” e escolha o canal do Google Drive. Depois, escolha a “action”, ou ação, “add row to spreadsheet”.
  4. Dê um nome à sua planilha. Em “formatted row”, você pode retirar ou incluir parâmetros. Clicando no ícone azul de garrafa de laboratório, é possível, por exemplo, incluir o autor dos tweets como um dos atributos a serem armazenados. Finalmente, defina uma pasta diferente para a planilha, se quiser.
  5. Clique em “create action” e — voilá! — você agora tem um sistema automatizado de arquivamente de tweets. (Ao menos, até o Twitter decidir mudar a API de novo.)

O IFTTT vai criar planilhas novas automaticamente toda vez que uma delas chegar aos mil registros, então, dependendo do tipo de conteúdo desejado, você pode vir a ter dezenas de planilhas XLS. Depois, basta consolidar tudo um só banco de dados.