Arquivo da tag: webjornalismo participativo

A inteligência coletiva não vai salvar o jornalismo

Nesta semana, dois eventos marcantes evidenciaram o problema de confiar na inteligência coletiva como solução para a crise da imprensa. Na madrugada do dia 14 de agosto, com a vitória do San Lorenzo na Copa Libertadores, o Impedimento encerrou suas atividades, após nove anos produzindo a melhor — e, por vezes, a única — cobertura de futebol sul-americano no Brasil. No dia seguinte, estreou o novo caderno de gastronomia de Zero Hora, agora sob a direção dos criadores do Destemperados, cujo primeiro post foi publicado há sete anos. Ambos iniciaram suas atividades como weblogs amadores na cidade de Porto Alegre e ampliaram suas atividades ao longo do tempo, profissionalizando-se e buscando formas de financiar a atividade editorial. Entretanto, apenas um deles sobreviveu. Por quê?

A resposta mais simples é que apenas um deles produzia jornalismo no sentido estrito. Embora o Impedimento publicasse mais crônicas esportivas do que reportagens ou notícias, sua perspectiva era sempre crítica, apontando dedos para as pessoas e instituições responsáveis, na visão dos autores, pelos problemas do futebol mundial. Às vezes, produziam até mesmo reportagens investigativas sobre o negócio da bola. Não eram uma redação tradicional, mas, ao contrário de grande parte da imprensa esportiva brasileira, não puxavam o saco de dirigentes para garantir acesso privilegiado aos corredores dos estádios. Em suma, buscavam, dentro dos limites operacionais estreitos de um grupo de repórteres sem esteio numa empresa ou instituição, publicar informação que alguém, em algum lugar, preferiria não ver publicada.

O Destemperados, por outro lado, se apresentou, desde o início, como um guia de restaurantes sem intenção de propor algum tipo de crítica, mas publicar crônicas agradáveis que registrassem estabelecimentos interessantes. De fato, um dos dez mandamentos dos Destemperados é “não avaliarás”. Não há, em essência, nenhum problema nessa abordagem, por duas razões: primeira, a política editorial é bastante explícita, de modo que leitores buscando crítica gastronômica não são levados ao equívoco; segunda, nenhum dos fundadores do weblog é jornalista — um é publicitário, o outro advogado e a terceira, formada em Relações Internacionais — e não estavam, portanto, submetidos ao código de ética dessa profissão. Não se pode, então, cobrar deles a observação da missão principal da imprensa.

Eu mesmo uso os guias de restaurantes e prestigio os eventos promovidos pelos Destemperados, mas não costumava ler com frequência o Impedimento. O objetivo aqui não é criticar a proposta de alguma das duas publicações. A sobrevivência do Destemperados e a morte do Impedimento são um bom ponto de partida, isto sim, para refletir sobre as soluções propostas pela cibercultura para o declínio do jornalismo strictu sensu ao redor do mundo e, mais especificamente, no Brasil.

Desde os anos 1990, em especial a partir da experiência do Centro de Mídia Independente durante os protestos contra a Organização Mundial do Comércio em Seattle, começou a surgir uma proposta de substituição da imprensa pela inteligência coletiva, turbas espertasmultidão ou qualquer outro nome que se queira dar à produção de informação e conhecimento por uma coletividade anônima interconectada pelas redes de computadores. Em linhas gerais, o argumento é o seguinte: a digitalização e a Internet causam uma crise econômica na imprensa ao eliminarem seu monopólio sobre a distribuição de informação, enquanto incentivam amadores e diletantes a produzir jornalismo, ensejando uma crise de legitimidade e de identidade entre os profissionais, cujo resultado, combinado à diminuição de verbas publicitárias, é o encerramento de diversos veículos ou a limitação da reportagem nas redações restantes; entretanto, a mesma Internet responsável pelo declínio do jornalismo é vista como a fonte de seus substitutos, que emergiriam da inteligência coletiva, através de um processo seletivo de traços darwinistas, para preencher as lacunas deixadas pela imprensa moribunda na esfera pública.

O raciocínio acima está bastante simplificado e dificilmente algum autor o segue literalmente — a maioria tem reservas ou é mais exagerado num ou noutro ponto — mas o resumo reflete a média do imaginário subjacente à relação entre tecnologia, inteligência coletiva e mídia que vem operando no Ocidente nos últimos anos. Há também os críticos dessa proposta, como Jaron LanierAndrew Keen e Robert McChesney, entre outros. Eles apontam algumas das armadilhas do pensamento tecnológico e da fé desmedida no maquinismo como solução para problemas que são, fundamentalmente, culturais e políticos. Um paralelo entre o Impedimento e o Destemperados pode ajudar a compreender essas críticas ao poder da inteligência coletiva de assumir as funções sociais jornalismo, ao menos no contexto local do Rio Grande do Sul.

O caso Impedimento

O Impedimento sempre foi um projeto paralelo de seus autores. Entretanto, começou a ganhar credibilidade no mundo do jornalismo, a formar uma comunidade de leitores fiéis e seus autores se viram, então, incentivados a passar das crônicas esportivas à reportagem em primeira mão. A média de page views por mês era de 230 mil, mas ao final da Copa do Mundo de 2014 atingiu 700 mil visualizações. Foi um dos primeiros weblogs brasileiros a usar o crowdfunding para realizar uma cobertura, ainda em 2009 — no caso, a final da Copa Libertadores da América. As vaquinhas sempre foram um sucesso e o Impedimento chegou mesmo a estabelecer uma parceria comercial com a revista Trivela, para a venda de anúncios. Os anúncios tradicionais, porém, nunca vieram em quantidade ou valor suficiente para comprar o leite das crianças.

Eles tentaram aproveitar a comunidade fiel de leitores através do ImpedClub, um modelo de assinatura mensal que premiava os clientes com alguns brindes simples. Conforme Douglas Ceconello, um dos editores, a resposta surpreendeu e cerca de 250 almas se associaram. Certos leitores chegavam a contribuir com o dobro do valor mensal de R$ 20 do plano mais caro, simplesmente porque amavam o Impedimento. Começaram a pagar por reportagens, usando o dinheiro do ImpedClub. Ainda assim, não foi o suficiente para garantir um pro-labore digno para a equipe editorial, apesar de apenas R$ 10 mil por mês serem suficientes. Os rapazes do Impedimento, aliás, eram mestres em mobilizar a comunidade de leitores. Um exemplo foi a ImpedCopa, um campeonato de futebol amador que em sua décima edição vai reunir 108 atletas em doze times.

Em resumo, o Impedimento seguiu a cartilha do jornalismo digital contemporâneo: produziram conteúdo segmentado e hiperlocal de qualidade, souberam mobilizar a comunidade de leitores, firmaram parcerias comerciais, usaram os ganhos de eficiência na comunicação da Internet para organizar esforços de crowdfunding e até mesmo “anúncios orgânicos”, isto é, publieditoriais, eles veicularam. De acordo com os defensores da inteligência coletiva como solução para a crise no jornalismo, portanto, deveriam ter conseguido pelo menos dinheiro suficiente para amealhar um pro-labore equivalente aos salários que receberiam numa redação. O mantra desses intelectuais lembra o do filme Campo dos Sonhos: “construa e eles virão”. O Impedimento construiu e alguns gatos pingados até apareceram, mas não em número suficiente para garantir a permanência da que talvez tenha sido a mais inovadora iniciativa de jornalismo esportivo da década.

Enquanto o Impedimento era velado, no dia 15 de agosto, o Destemperados atingia o ápice da trajetória em termos de legitimidade, assumindo a produção de conteúdo para o caderno Gastrô de Zero Hora. Além das resenhas de restaurantes, também passaram a produzir reportagens e entrevistas, que antes eram raras no veículo. A relação com a RBS vem de anos, começando com um programete na rádio Itapema. Nos últimos tempos, a parceria se consolidou.

O caso Destemperados

O Destemperados desde cedo começou a veicular anúncios no website, embora eles nunca tenham fornecido um rendimento significativo como o conteúdo patrocinado, ou branded content. Ainda em 2008, lançaram um guia de gastronomia focado no verão em Punta del Este. Também foram um dos primeiros blogs nacionais a produzir um aplicativo para smartphones. A partir daí, começaram a se expandir por diversas áreas, como organização de eventos e cursos de extensão em “food experience”, por exemplo. Além disso, os proprietários criaram outros blogs, segmentados para diferentes públicos, e uma agência de produção de conteúdo, a Winehouse. Um dos principais eventos organizados pelo Destemperados, já sob a égide da RBS, mas antes de efetivamente assumirem o caderno de gastronomia da Zero Hora, foi o Pop Up Restaurant, patrocinado pelo Matte Leão, que trouxe a Porto Alegre diversos chefs para jantares especiais ao longo de semanas.

O weblog segue como a principal plataforma de conteúdo, com 200 mil visitas e 500 mil visualizações por mês, em média. Entretanto, sua função parece ser mais divulgar a marca e incentivar anunciantes a comprarem outros produtos da empresa, como o conteúdo patrocinado e cotas em eventos. É a credibilidade do conteúdo do weblog que atrai alunos para o curso de “food experience”, comensais para os jantares e anunciantes ou patrocinadores para os guias. A habilidade com diferentes plataformas provavelmente foi a característica que levou a Zero Hora a firmar uma parceria comercial para a terceirização do caderno de gastronomia do jornal.

Assim como o Impedimento, o Destemperados soube mobilizar a comunidade de leitores para alavancar a audiência. A partir de 2012, começaram a alistar “food hunters” nas principais cidades do país e mesmo no exterior. Estes colaboradores produzem conteúdo local e mantêm o fluxo de publicação no weblog, além de aumentarem o valor do serviço para os usuários do aplicativo de celular, que podem contar com o Destemperados em viagens, por exemplo. Até a parceria com a Zero Hora, o Destemperados mantinha apenas dois funcionários além dos três fundadores. Com a demanda e os recursos da RBS, a equipe foi ampliada para doze pessoas.

Algumas lições sobre empreendimentos jornalísticos independentes

O que o Impedimento deixou, então, de fazer? Seus integrantes não aceitaram deixar de ser repórteres para se tornar administradores, porque o Impedimento, afinal, foi criado para que pudessem fazer melhores reportagens, não para lidar com anunciantes e agências de publicidade o dia todo. Seria possível argumentar que o espírito crítico do Impedimento afastou anunciantes, mas esta não é a avaliação de Ceconello, que afirma nunca ter percebido mal-estar nas relações com anunciantes. O problema principal, para ele, foi o despreparo das agências de publicidade para lidar com pequenos empreendimentos jornalísticos: pregam a inovação, mas são conservadoras ao formatar parcerias; ou então, enviam produtos em lugar de anúncios, como se os repórteres pudessem se sustentar com escambo.

O que o Destemperados fez diferente? Focaram-se em resultados comerciais antes mesmo de começar a produzir conteúdo. Segundo o diretor Diego Fabris, os produtos multiplataforma foram pensados em conjunto com o weblog, há sete anos, mas lançados aos poucos. Por um lado, o fato de publicarem resenhas permite se dedicar a questões administrativas sem deixar de escrever; afinal, todo mundo precisa comer em algum momento e se pode perceber nos textos que as refeições e viagens de lazer são o momento principal de coleta de informações dos fundadores do Destemperados. Além disso, a abertura à participação dos leitores, com o projeto Food Hunters, permitiu aos proprietários manter a frequência de publicação e expandir a base de audiência para além do Rio Grande do Sul sem incorrer em custos com ampliação da equipe, ao menos de início. O resultado é que, em média, o Destemperados fatura em torno de R$ 50 mil por mês, ou cinco vezes a necessidade mínima do Impedimento.

O Impedimento, ressalte-se, usou os recursos do ImpedClub para contratar free-lancers, em lugar de reinvestir na ampliação dos negócios. Esse fato evidencia a mentalidade jornalística de seus administradores, que, de outro modo, talvez houvessem pensado em formas de transformar o capital em lucro. A própria ImpedCopa poderia ser um evento gerador de faturamento, se pudessem firmar parcerias com patrocinadores. Todavia, como Ceconello deixou claro, não há boa vontade dos anunciantes em relação a empreendimentos pequenos. Essa avaliação é coerente com minha experiência pessoal: há uns dez anos, participei da revista impressa Type, cujo fundador contratou uma pessoa experiente em comercialização de anúncios, mas mesmo assim esbarrou no preconceito das grandes agências com uma revista ainda pouco firme no mercado. O problema é que sem anúncios a revista também não teve como se firmar e, assim, encerrou as atividades. É simplesmente mais seguro e fácil anunciar nos canais de sempre.

Uma das poucas formas de obter anunciantes e patrocinadores sem ter credibilidade no mercado parece ser a mobilização de relações pessoais. Se há na publicação uma pessoa com boas relações no mercado; amigo, parente, ou colega de proprietários de empresários ou sócios de agências de publicidade, os anúncios chegam como favor pessoal, não necessariamente como reconhecimento pela qualidade do conteúdo. Uma segunda forma é a adulação pura e simples dos novos-ricos, que explica a existência de revistas como South Star e websites como o RS Negócios. Noutras palavras, as relações de poder seguem como o principal fator de sucesso de um empreendimento jornalístico, como ocorria na era pré-Internet.

Em resumo, o argumento “construa e eles virão” não se sustenta no mundo real. Se a inteligência coletiva mediada tecnicamente pela Internet fosse suficiente para a seleção natural do jornalismo strictu sensu e sua manutenção, o Impedimento deveria ter feito até mais sucesso comercial do que o Destemperados. Então, é preciso deixar de confiar na tecnologia para suprir a necessidade das sociedades democráticas por jornalismo e buscar alternativas no campo da política.

Alguns pontos relevantes que se pode depreender das duas trajetórias descritas acima:

1. Se é um empreendimento, alguém na equipe deve assumir o papel de empresário. A principal diferença entre o Impedimento e o Destemperados foi a predominância de uma mentalidade jornalística no primeiro e de uma mentalidade empresarial no segundo. Deixando-se de lado esse fator, todas as outras condições e circunstâncias são muito semelhantes, assim como ambos apresentam boa qualidade de conteúdo dentro de suas propostas.

2. Se ninguém na equipe mantém boas relações com empresários, políticos ou agências de publicidade, só há duas alternativas de financiamento: patrocínio do terceiro setor ou faturamento com venda direta à audiência. O problema do patrocínio do terceiro setor é depender também, em alguma medida, de boas relações políticas. Embora em geral a concorrência por bolsas seja mais aberta, baseada em editais, os selecionadores levam em conta a inserção de um determinado projeto numa comunidade de ativistas — por exemplo, o fato de algum dos proponentes já haver participado de outros projetos como voluntário ou funcionário. Além disso, em geral esse tipo de patrocínio se foca em jornalismo voltado a questões políticas e sócio-econômicas, o que eliminaria tanto o Impedimento quanto o Destemperados do concurso.

3. O problema de contar com financiamento direto pela audiência é ninguém ainda ter descoberto exatamente como vender notícias para leitores na era do jornalismo pós-industrial. Se alguém descobrir como fazê-lo, avise.

4. A terceirização parece ser uma via promissora, ao menos no Brasil. Além do Destemperados, há em Porto Alegre a experiência de agências como Cartola, Fronteira e República. Seus fundadores são repórteres jovens que, insatisfeitos com as restrições das redações tradicionais, pediram demissão e criaram suas próprias empresas. Hoje, prestam serviços para seus ex-empregadores e inclusive grandes veículos do Sudeste. Ganharam mais liberdade de escolha das pautas a serem perseguidas e, ao mesmo tempo, melhores salários e qualidade de vida. Essa abordagem, porém, talvez não salvasse o impedimento, pois a RBS terceirizar parte de sua cobertura esportiva para uma publicação independente significaria assumir falhas numa área que talvez concentre a maior parte da força de trabalho editorial da empresa, para não falar da maior massa de vaidade.

Produção e Colaboração no Jornalismo Digital

Livro da Rede JorTecEstá na praça o segundo livro acadêmico do qual participo com um capítulo. No caso, o trabalho “apuração distribuída como técnica de webjornalismo participativo“, apresentado no 7º Encontro da SBPjor, em 2009. Segue o texto de divulgação:

Rede JorTec lança seu primeiro livro

Rede de Pesquisa Aplicada em Jornalismo e Tecnologias Digitais – JorTec – lança seu primeiro livro, Produção e Colaboração no Jornalismo Digital, que reúne o trabalho de 16 pesquisadores de 10 distintas instituições de ensino e pesquisa.

O livro busca evidenciar através dos Núcleos de Pesquisa da Rede JorTec (Tecnologia, Interface, Narrativas e Colaboração) algumas das mais importantes questões para a prática contemporânea do jornalismo digital, como a integração qualificada do leitor no processo de produção jornalístico, possibilidades de interatividade, narrativa e visualização do conteúdo, diferenciações do processo de produção, modelos de negócio e possíveis tecnologias aplicadas ao jornalismo digital.

O lançamento ocorre no 8º Encontro da Associação Brasileira de Pesquisadores em Jornalismo (8º SBPJor), no dia 9 de novembro, terça-feira, às 20 horas, em São Luis, Maranhão.

Oficializada pela SBPJor em janeiro de 2009, a Rede JorTec vem sendo articulada desde o início de 2007 com o intuito de produzir pesquisa aplicada visando à experimentação e criação de inovações tecnológicas digitais nos processos de captação, produção, empacotamento, transmissão e distribuição de conteúdos jornalísticos nas convergentes plataformas comunicacionais. Para isso, conta com pesquisadores de diversas regiões e universidades brasileiras.

Livro: Produção e Colaboração no Jornalismo Digital

Autores:
Alvaro Bufarah Junior, Ana Maria Brambilla, Ben-Hur Correia, Carla Schwingel, Carlos d’Andréa, Carlos Eduardo Franciscato, Carlos A. Zanotti, Dijna Andrade Torres, Diólia de Carvalho Graziano, Fernando Firmino da Silva, Gabriele Maciel, Getúlio Cajé dos Santos, Jorge Rocha, Marcelo Träsel, Raquel Ritter Longhi, Walter Teixeira Lima Junior

Organizadores:

Carla Schwingel e Carlos A. Zanotti

Editora Insular
Preço: R$ 35,00

Imprensa, público, comensalismo e simbiose

Um estudo do ecossistema noticioso de Baltimore, publicado pelo Project for Excellence in Journalism, descobriu que 95% das informações novas veiculadas na imprensa durante uma semana vieram da mídia tradicional, sendo a maioria do jornal. Além disso, verificou-se que 80% das notícias simplesmente reapresentaram informação já conhecida. Quase metade da informação nova foi divulgada pelo Baltimore Sun, o principal jornal da cidade.

A pesquisa traz importantes indícios para investigar as causas do declínio da imprensa como indústria e de como reinventá-la.

O papel das redes sociais e weblogs no ecossistema noticioso, conforme o estudo, é servir principalmente como sistema de alerta e repercussão da informação desencavada pelas redações de jornais e reproduzida nos websites jornalísticos.

Ainda assim, um dos seis principais temas do noticiário na semana abordada pelo estudo foi disparado por um blog independente. O autor do Maryland Politics Watch percebeu no website da Procuradoria distrital uma consulta da empresa de transporte público do Estado de Maryland sobre a possibilidade de instalar microfones para supervisionar as conversas de passageiros. Os veículos de imprensa local começaram a perseguir a pauta logo em seguida. O blogueiro não entrevistou ninguém, apenas o repórter do Baltimore Sun tomou esse trabalho. O resto da mídia, aparentemente, apenas copiou e colou — sem creditar.

O caso mostra o quanto é fundamental a participação do público no atual ecossistema noticioso. Um cidadão ser o responsável por iniciar uma das principais coberturas semanais em uma cidade grande não é pouca coisa. O estudo dá a impressão de menosprezar um tanto o trabalho do blogueiro, embora ele tenha sido fundamental. A cadeia causal gerada por seu comentário acabou por matar no berço a idéia vigilantista da empresa de transporte público da região.

Os críticos podem dizer que não houve esforço de reportagem real do blogueiro, Paul Gordon, porque ele não entrevistou ninguém, apenas apontou um link. Há aí dois problemas de avaliação. Primeiro, não é papel do público entrevistar fontes. Isso é papel dos jornalistas. Se um leitor por acaso se dá esse trabalho, ótimo, mas cobrar o mesmo nível técnico dos profissionais em material produzido por colaboradores ou jornalistas amadores é um contrasenso — a não ser que os jornalistas estejam realmente querendo abdicar de sua profissão. Em segundo lugar, descobrir uma informação nova é a parte mais importante do processo de reportagem. Sem um furo, ninguém sai do lugar. Portanto, o Gordon realizou a parte principal do trabalho — o que, aliás, deveria ser motivo de humilhação para toda a imprensa de Baltimore.

Muitos websites jornalísticos e weblogs divulgaram informações coletadas por outros sem fornecer os devidos créditos, além disso. Esse dado corrobora uma opinião que emiti recentemente em entrevista ao Alec Duarte: não existe mais informação exclusiva. O Baltimore Sun levou três dias para perceber o texto no Maryland Politics Watch, mas outros websites levaram poucas horas para replicar a informação do Baltimore Sun. A imprensa como um todo ignorou a nota no website da Procuradoria por um mês. Se não fosse por Gordon, o público correria o risco de saber do projeto de vigilância apenas quando já estivesse implantado.

Apesar de não existir mais informação exclusiva, ainda existem enfoques exclusivos. A imprensa deveria investir naquilo que as redes sociais e weblogs não podem investir: encontrar fontes que tragam novos argumentos e pontos de vista sobre os acontecimentos. Infelizmente, a julgar pelos resultados do estudo, não parece ser essa a abordagem dos jornais. A maioria das novas informações no período estudado teve como ponto de partida a administração pública ou organizações. Foram muito poucas as informações novas provenientes de fontes descobertas por iniciativa de repórteres.

Os jornais devem aprender a direcionar melhor o inegável poder de fogo que mantêm, mesmo após 20 anos de World Wide Web. Há cerca de dez anos, pensava-se que a essa altura o jornal impresso estaria morto ou em coma avançado. No entanto, continua sendo o principal produtor de informação. Porém, o estudo também mostra que tem sido produzida cada vez menos informação nova. Os jornais são vencedores numa competição de várzea, não numa Copa do Mundo. Isso pode explicar o declínio da indústria e a necessidade de reinventá-la.

O caminho para a reinvenção, a meu ver, é unir o potencial do público em levantar pautas com a técnica de reportagem e narrativa dos jornalistas. Os jornais devem criar sistemas de captação de informação gerada pela comunidade e, ao mesmo tempo, partir do princípio de que toda informação estará disponível imediatamente a toda a concorrência. Devem tomar essa informação como base e passar a investir mais na repercussão com fontes inusitadas, que dêem um enfoque especial para cada veículo, em vez de reproduzir as mesmas aspas disponíveis em todo o ecossistema midiático.

A relação entre imprensa e o público dotado de acesso às redes sociais e ferramentas de publicação ainda é de comensalismo: os dados da pesquisa mostram que, em geral, weblogs e redes sociais reaproveitam a informação gerada pelas redações. Manchetes e links são distribuídos e trechos são comentados Web afora, mas as redes sociais raramente produzem notícias.

Alguns poderiam considerar isso parasitismo, mas, apesar do que dizem os Rupert Murdochs da vida, a distribuição e repercussão das notícias não causa mal algum aos jornais e, às vezes, pode beneficiá-los. O parasitismo existe, é claro, mas geralmente se dá entre jornalistas. O caso do Maryland Politics Watch, aliás, mostrou que a imprensa algumas vezes parasita os blogs e redes sociais, reproduzindo informação sem fornecer os devidos créditos.

A atual relação de comensalismo entre imprensa e público, na qual o público é levado a reboque pelos jornalistas, como as rêmoras e os tubarões, deveria se tornar uma relação de mutualismo, na qual os dois agentes se beneficiassem. Quem sabe, até mesmo evoluindo um dia para uma relação de simbiose. O público tem muito com que colaborar, mas as redações precisam se abrir a essa colaboração.

Pós-graduação em Jornalismo Digital

Gostaria de lhes apresentar meu filho: o curso de especialização lato sensu em Jornalismo Digital, cujas aulas começam em março na Famecos/PUCRS.

Quem entrar no site, desenvolvido pela equipe do Espaço Experiência, vai perceber a integração com ferramentas como Delicious, Twitter e, futuramente, Flickr e Vimeo. Não é à toa: a idéia é não ficar restrito ao estudo e prática das técnicas básicas de jornalismo digital, como edição de vídeos, criação de animações e webwriting, mas incorporar as ferramentas de Web 2.0 e as redes sociais. A nosso ver, a habilidade de lidar com essas características do contexto atual da comunicação são indispensáveis para qualquer jornalista — porque a própria audiência da próxima década está sendo formada nessas redes sociais e pelo uso dessas ferramentas.

Além de uma disciplina voltada especificamente para a sociabilidade no jornalismo digital e um seminário sobre relacionamento com o público, os alunos e professores serão incentivados a usar redes sociais e serviços de Web 2.0 em todas as atividades do curso. São características fundamentais da sociedade contemporânea e portanto são características fundamentais do projeto pedagógico.

Outro avanço curricular que buscamos foi um aprofundamento em programação. Os alunos aprenderão ao menos o suficiente para produzir alguns mash-ups simples que possam ajudar no cotidiano de uma redação digital. Conhecer as linguagens mais usadas no jornalismo — Ajax, PHP, HTML — é também importante no momento de gerenciar projetos.

Um terceiro ponto a ressaltar é o foco na inovação e empreendedorismo. Na última década, as ferramentas de comunicação em escala massiva se tornaram acessíveis não apenas a todos os jornalistas, mas a todas as pessoas. Se antes era preciso ter dinheiro para investir num parque gráfico ou num estúdio para ser seu próprio chefe, hoje é possível criar produtos informativos e noticiosos digitais sem a necessidade de muitos recursos. De fato, o único recurso indispensável para abrir uma empresa é o conhecimento técnico para desenvolver uma idéia.

Para dar conta desse aspecto, foram chamados Marta Gleich, diretora de Internet, e Eduardo Lorea, gerente de pesquisa e desenvolvimento, ambos do Grupo RBS. Ambos vão assumir as disciplinas de gerenciamento e negócios do curso. Além disso, durante a especialização cada aluno deverá criar e planejar um produto digital. O trabalho de conclusão será a entrega de um protótipo do produto. Esperamos com isso fomentar a criação de novas empresas no mercado gaúcho e brasileiro e mostrar aos profissionais, com exemplos palpáveis, as novas possibilidades abertas pela Comunicação Digital.

Além disso, vamos oferecer também uma disciplina de jornalismo em mídias móveis e entraremos na seara da televisão digital, ambos temas de pesquisa científica dos professores da Famecos e ambos temas pouco explorados nos currículos de especializações no Brasil.

Chamo de meu filho e sou o coordenador, mas o curso foi concebido pela equipe de Comunicação Digital da faculdade em conjunto. Os professores Eduardo Pellanda, André Pase e Andréia Mallmann me ajudaram muito na preparação do projeto pedagógico e estão no corpo docente. Por sinal, o Pase está coordenando o curso de especialização em Jogos Digitais, uma parceria da Famecos e da Facin com a Ubisoft.

Em 2010 começam também os cursos de especialização em Cinema Expandido, Branding de Conexão e Planejamento em Comunicação e em Gestão de Crises de Imagem. Todos na Famecos.

Apuração distribuída e jornalismo no 7º SBPJor

Nesta quinta-feira estarei participando da III Mesa Coordenada Rede JorTec – Processos Colaborativos e Narrativas Digitais, no 7º Encontro da SBPJor. O encontro deste ano será na ECA/USP, em São Paulo. A programação pode ser conferida aqui. A íntegra do trabalho está no link abaixo:

A apuração distribuída como técnica de webjornalismo participativo

Leia a matéria feita pela equipe de alunos do Espaço Experiência da PUCRS para o Eu sou Famecos.

Azeredo defende reforma eleitoral

O senador tucano Eduardo Azeredo (sim, o mesmo da Lei Azeredo e o mesmo acusado de envolvimento no esquema do Valerioduto) respondeu por correio eletrônico à carta aberta pela liberdade de informação e opinião na campanha eleitoral de 2010 — a qual, aliás, já está com quase 2,5 mil assinaturas. Segue a íntegra da resposta do senador Azeredo:

SOBRE A REFORMA ELEITORAL E O USO DA INTERNET EM CAMPANHAS

A regra válida hoje para o uso da internet nas campanhas eleitorais é a resolução do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que permite a propaganda por meio apenas dos sites pessoais dos candidatos ou partidos.

O projeto em fase de votação no Senado amplia as normas atuais quando:
1) permite que pessoas físicas façam doações por cartões de crédito, cartões de débito, boleto bancário e telefone;
2) permite a propaganda paga para Presidente da República em sites de cunho noticioso;
3) garante a livre manifestação do pensamento, vedado o anonimato e assegurado o direito de resposta, em blogs, rede sociais, sites de interação e de mensagens instantâneas e em outras formas de comunicação digital – conforme emenda proposta pelos relatores ao artigo 57-D aprovado pela Câmara.
4) também permite que os candidatos façam uso de ferramentas da internet até o dia da eleição.

Não é verdade que a emenda proposta pelos relatores ao artigo 57-D, já aprovada, imponha censura aos sites noticiosos. O que se busca é o tratamento isonômico para os candidatos.

A exclusão integral do texto do artigo 57-D da reforma, como quer o Senador Aloizio Mercadante, validaria novamente a citada resolução do TSE. Além disso, permitiria que portais de notícia, diferentemente do que acontece com os jornais, dessem tratamento privilegiado a determinados candidatos, o que não nos parece coerente ou justo.

Senador Eduardo Azeredo
(PSDB-MG)

Macacos me mordam, mas é preciso concordar com o Azeredo!

Brincadeirinha. O senador usa uma retórica falaciosa, ao tentar passar a impressão de que só existem duas alternativas: ou todo o artigo 57-D é aprovado, ou todo ele é eliminado. Quando avisa sobre o perigo de se eliminar completamente o artigo 57-D, como quer o Mercadante, Azeredo está certo. Caso isso ocorra, cai junto a garantia de liberdade de expressão em canais particulares de comunicação via Internet e volta-se à situação de 2008. Porém, nada impede o Senado de modificar completamente o artigo, mantendo essa liberdade e eliminando a equiparação da Internet com rádio e televisão.

A afirmação de que eliminar a equiparação entre Internet e radiodifusão daria mais liberdade aos websites do que aos jornais também é falácia. Da maneira como a futura lei eleitoral está redigida agora, os websites teriam menos liberdades do que os jornais, embora não sejam concessões públicas como rádio e televisão. O tratamento deveria ser, no mínimo, igualitário entre veículos impressos e webjornais. De novo, é questão de ajustar o artigo 57-D, não eliminá-lo completamente.

Ora, o artigo 57-D obriga os debates e entrevistas com candidatos na Web a seguirem as mesmas condições do artigo 46, cuja seção, inclusive, chama-se “da propaganda em rádio e televisão” na lei eleitoral atual. Ou seja, claramente a Internet está sendo equiparada a essas concessões públicas, uma comparação possível apenas para aqueles que desconhecem completamente o funcionamento da comunicação nestas redes — ou para quem age de má-fé neste debate.

É preciso reconhecer o avanço contido na emenda de Azeredo ao artigo 57-D:

§ 3º É livre a manifestação do pensamento, vedado o anonimato e assegurado o direito de resposta, em blog assinado por pessoa natural, rede social, sítio de interação e de mensagens instantâneas e assemelhados, e em outras formas de comunicação interpessoal mediante mensagem eletrônica, não se lhes aplicando o disposto nos incisos II e III deste artigo.

O cidadão, em tese, estará protegido contra risco de processos ao apoiar um candidato. No entanto, deve-se lutar pelo reconhecimento da Internet pelo que ela é, por parte do Congresso: o sistema de comunicação mais democrático e acessível já criado, diametralmente oposto ao sistema de radiodifusão baseado em concessões estatais. As leis, mesmo as boas, devem ser baseadas na realidade, nos fatos, não em equívocos conceituais.

Um prego no caixão da democracia

Rodrigo Alvares, o último membro da orquestra a abandonar o navio, decidiu hoje encerrar o blog A Nova Corja. Por um ou dois anos fui membro da trupe, certamente um dos menos dedicados, mas pude ao menos compartilhar a alegria de fazer reportagem política incondicional, no melhor estilo “jornalismo é oposição, o resto é balcão de secos e molhados”. Desejo a todos os jornalistas que tenham essa experiência ao menos uma vez na vida.

O motivo principal para o encerramento das operações é o desânimo causado pelos processos de Políbio Braga, Felipe Vieira e Banrisul. Não que os processos metessem medo. O problema é que eles custam dinheiro, mesmo quando o juiz decide a seu favor, e, principalmente, tomam muito tempo. Todos os membros atuais e antigos da Corja têm empregos e famílias para cuidar. O jornalismo político era algo como uma prestação de serviços à sociedade, um voluntariado. Quando os poderosos foram perturbados e resolveram se aproveitar do Judiciário para tentar calar a Corja, porém, a sociedade mostrou-se incapaz de ajudar. O tempo livre antes dedicado ao jornalismo passou a ser dedicado a defender-se da litigância de má-fé. Algumas famílias até mesmo sofreram ameaças.

Algumas lições importantes podem ser tiradas desse caso. Primeiro, percebe-se que o bom jornalismo ainda faz diferença. A luz do dia incomoda aos poderosos e, no contexto da comunicação em rede mediada por computador, está ao alcance de qualquer cidadão expor os fatos ao sol. É o que chamo de webjornalismo cidadão, uma prática cada vez mais incensada como panacéia para os problemas do jornalismo. Pois bem, esse caso mostra os limites do webjornalismo cidadão.

Expostos ao sol, os políticos e sua entourage costumam sentir-se acuados e apelam ao Judiciário para tentar calar seus inimigos. Não precisam nem mesmo vencer um processo: os trâmites legais em si mesmos já têm um enorme poder disruptivo sobre o trabalho de pessoas que não vivem para a política e precisam se dedicar à vida real. Repórteres funcionários de empresas de comunicação podem contar com o setor jurídico para defendê-los nestes processos e seguir com sua rotina produtiva. Também não precisam pagar os custos judiciais. Repórteres amadores ou sem apoio institucional, por outro lado, são alvos fáceis para a intimidação jurídica.

Casos desse tipo de intimidação têm se acumulado. À medida que os canais disponíveis para a manifestação do cidadão se multiplicam e ganham influência, políticos e empresas — especialmente aqueles envolvidos em atitudes imorais, antiéticas ou ilegais — passam a combater a liberdade de expressão com o instrumento favorito dos canalhas: a Justiça. É lamentável que as leis possam ser usadas em prejuízo da democracia, mas o Estado de Direito ainda é preferível à barbárie. Cabe à sociedade fiscalizar e organizar-se para impedir ou diminuir esse tipo de tramóia.

Desde o primeiro processo iniciado contra a Corja, cristalizou-se em meu ponto de vista a necessidade de uma organização como a Electronic Frontier Foundation no Brasil. Seu objetivo seria a educação da sociedade quanto aos direitos e deveres do cidadão na Internet e também o apoio técnico e jurídico a repórteres amadores e demais vítimas de litigância de má-fé e outras injustiças. Um dia, quem sabe, a idéia sai do papel.

COP15 investe em webjornalismo participativo

A próxima Conferência sobre Mudanças Climáticas da ONU, sediada em Copenhagen entre os dias 7 e 18 de dezembro, terá a participação de três blogueiros convidados — como aconteceu na reunião do G20 em Londres este ano.

Para selecionar os convidados, foi lançado o concurso mundial Th!nk about it, para o qual as inscrições estão abertas. É preciso enviar um currículo e uma carta de intenções em até 250 palavras. Até setembro, 81 candidatos serão escolhidos para fazer parte da competição. Estes deverão escrever três artigos mensais para o blog do projeto. A cada mês, três vencedores serão definidos pelo Centro Europeu de Jornalismo, um para cada categoria: qualidade, impacto e uso de multimídia nos artigos. Os três convidados para participar da conferência em dezembro serão escolhidos entre esses vencedores. Outros prêmios incluem iPhones, MacBooks e câmeras digitais. Os 81 selecionados também irão a Copenhagen em setembro, com tudo pago, para receber treinamento e uma câmera HD.

Obviamente, tudo deve ser feito em inglês.

Arqueologia da cibercultura

Relendo A obra de arte na era de sua reprodutibilidade técnica, publicado por Walter Benjamin em 1936, um trecho que passou despercebido nas leituras anteriores chamou a atenção na tese “Exigência de ser filmado”:

Durante séculos, houve uma separação rígida entre um pequeno número de escritores e um grande número de leitores. No fim do século passado, a situação começou a modificar-se. Com a ampliação gigantesca da imprensa, colocando à disposição dos leitores uma quantidade cada vez maior de órgãos políticos, religiosos, científicos, profissionais e regionais, um número crescente de leitores começou a escrever, a princípio esporadicamente. No início, essa possibilidade limitou-se à publicação de sua correspondência na seção “Cartas dos leitores”. Hoje em dia, raros são os europeus inseridos no processo de trabalho que em princípio não tenham uma ocasião qualquer para publicar um episódio de sua vida profissional, uma reclamação ou uma reportagem. Com isso, a diferença essencial entre autor e público está a ponto de desaparecer. Ela se transforma numa diferença funcional e contingente. A cada instante, o leitor está pronto a converter-se num escritor. Num processo de trabalho cada vez mais especializado, cada indivíduo se torna bem ou mal um perito em algum setor, mesmo que seja num pequeno comércio, e como tal pode ter acesso à condição de autor.

Não há quase nenhuma questão atual da Comunicação sobre a qual a Escola de Frankfurt não se tenha debruçado, ou ao menos comentado en passant. A citação de Benjamin resume a lógica da comunicação mediada por computador, cujo aprofundamento é responsável pelos debates em torno de webjornalismo participativo, blogs, Web 2.0, construção colaborativa do conhecimento e situação profissional do jornalista que hoje se travam.

Webjornalismo participativo no G20

Não deixem de acompanhar essa semana o G20 Voice, um webjornal participativo composto por 50 blogueiros convidados ao redor do mundo para ir a Londres com todas as despesas pagas, para cobrir o encontro das 20 nações mais ricas do planeta. Entre eles, Rodrigo Oliveira, do Nova Corja, o único brasileiro. O projeto é uma ação conjunta do governo britânico e de uma coalização de ONGs. O projeto recebeu de leitores ao redor do mundo 700 indicações, das quais saíram os 50 selecionados.

Trata-se talvez de um dos maiores reconhecimentos já recebidos pelos praticantes do jornalismo amador. O Partido Democrata já havia tratado blogueiros como VIPs durante as prévias que escolheram Obama como candidato, mas o objetivo então era a propaganda, não o jornalismo. Durante a preparação para a luta pelo governo francês, Sarkozy deu entrevista exclusiva para um blogueiro, mas apenas um e do mesmo lado do espectro político. No caso do G20, os blogueiros foram chamados não para repercutir as posições dos anfitriões, mas para botar os líderes da economia mundial contra a parede.

Vale a pena dar uma olhada também no Put People First, que agrega o material sobre o evento publicado em diversas ferramentas de compartilhamento de informação, como Twitter, Del.icio.us e Facebook. É o que se pode chamar de uma cobertura colaborativa.